Relembre uma das maiores brigas da TV brasileira: Milton Neves vs Avallone

 

Em 1997 o MMA ainda não ganhava tantos holofotes quanto hoje em dia, mas Milton Neves e Roberto Avallone já protagonizavam aquela que seria uma das maiores brigas da TV brasileira ao vivo e em cores. A briga até hoje rende bordões usados no mundo do futebol.

No “Mesa Redonda – Futebol Debate”, na Gazeta, programa comandado por Avalone , Milton Neves entrava com sua participação para se defender  de uma acusação de corrupção (na época também não havia grande holofotes para o assunto), por ter se apresentando em um banquete do alvinegro paulista, o Corinthians.

Na época Milton Neves foi contratado por uma empresa de eventos para ser Mestre de Cerimônia no aniversário do Corinthians. Milton aceitou o contrato e fez o trabalho.

A comemoração se deu em uma sexta-feira. No domingo, em seu programa, Roberto Avallone julgou e comentou o fato:

– “MILTON NEVES FOI COMPRADO, PERDEU SUA CREDIBILIDADE. ONDE JÁ SE VIU SE VENDER PRA UM CLUBE ?! FOI LÁ NO ANIVERSÁRIO DO CORINTHIANS.”

Milton pediu o direito de resposta, e eles só faltaram chegar as vias de fato no programa.

E então, perde-se completamente a linha da discussão, as ofensas começam, a preferência sexual é botada a mesa, “Existe um homossexual aqui nesta mesa”,  o Milton Neves ainda cita Joseph Gobbels, ministro da propaganda nazista. E aí o ringue foi montando. O Avallone começa a soltar as interrogações, e as exclamações. Os intervalos tinham uma trilha sonora que colocava ainda mais lenha na fogueira. E não há como não rir.

Quando você acha que o  que não está bom, não pode piorar, pode sim, aos 11 minutos, Milton Neves, com o sotaque arrastado solta um: “Cala a boca Avallone, agora é minha vez de falar. Essa anta não para de falar”. Depois disso tudo se resume em uma palavra, 4 letras, muitos sentimentos: VIXE.

A produção, claro que mal intencionada, lança de uma conversa ao telefone com o então presidente do Palmeiras, Márcio Papa, que novamente lança mão das preferências sexuais,  diz ao Avallone que ele é persona non grata no Palmeiras e joga a última pá de terra: “ tenho pena de você, você é um péssimo palmeirense”.

Nessa hora o programa já estava em se cobrir vira circo, se cercar vira hospício, e foi esse o ponto mais baixo que o Milton Neves chegou, dizendo que o Avallone havia confidenciado a ele que tinha um irmão louco. Avallone perde o chão e começa a gritar para um advogado dizendo que vai processar o jornalista.

É melhor ver pra crer, foi melhor que muitos “Casos de Família”.  Após o episódio o Avallone sumiu da TV por um tempo. Perdeu a disputa judicial e teve de fazer uma doação a um asilo de Muzambinho (MG), terra natal de Milton Neves.

 



Formada em jornalismo pelo Mackenzie, demorei anos para perceber que dá, sim, para ir atrás dos sonhos e trabalhar com o que se gosta: o esporte. Hoje me divido entre o esporte e a política. Nunca vou me conformar com os que dizem: "É só futebol.."