Robinho e o passe de Peixe: um toque para erguer o troféu

Ivan Sorti/Divulgação

“Pai, mira no gol; se você ficar olhando pra bola, não vai acertar o gol”. A “orientação técnica” do filho de 5 anos numa recente “pelada” é bem esclarecedora sobre a opção do garoto em querer imitar Robinho, do Santos, levantando a taça do Campeonato Paulista 2015.

É de encher os olhos de qualquer criança o passe que o camisa 7 deu para o zagueiro David Braz marcar o primeiro gol da vitória de 2 a 1 sobre o Palmeiras (e 4 a 2 nos pênaltis). É como se, num instante de mágica, Robinho, aos 21 do primeiro tempo, transformasse a grande área num lindo aquário.

O habilidoso “Menino da Vila” exibe um domínio capaz de provocar um efeito dominó em qualquer marcação; cuida da bola como quem trata carinhosamente de uma rara, invocada, chamativa e bela espécie Betta; foi um toque de “cabeça em pé”, pra ir de encontro aos sonhos e às convicções do pequenino torcedor que, desde cedo, entende que a graça do futebol está na arte traduzida nessas “pinturas” de jogadas; antes mesmo da conclusão do lance, o árbitro já poderia ter dado gol; bastava aquele passe.

A zaga palmeirense parecia paralisada como os turistas que ficam de “queixo caído” diante daqueles espetaculares tanques ornamentais cheios dos mais incríveis peixinhos, peixões e paixões; quando a bola tocou as redes, deu pra ver como o fundo da meta é semelhante às entranhas de um oceano; caros corais e animadas anêmonas ajudam a deixar o Peixe ainda mais vistoso.

Pra nós, eu e o garoto, esse foi um legítimo gol para erguer o troféu. Robinho é um dos poucos nos gramados brasileiros que ainda nos oferta esses momentos tão escassos e tão ricos em detalhes, assim como são alguns Peixes.

Os craques tratam a bola como o “filé de pescada” e nos inspiram a continuar “namorados” do esporte; já os “pernas de pau”, os “cabeça de bagre” a enxergam como a “traíra” com as suas mais incômodas espinhas.

Robinho e o passe de Peixe; esse é o saboroso e infinito cardápio do futebol.

Crédito da foto: Ivan Storti/Santos FC



Jornalista formado pela Faculdade de Comunicação Social da Universidade Federal de Juiz de Fora. Atualmente é professor do Departamento de Televisão e Rádio da mesma faculdade.