Santos e seu difícil dilema: Robinho

Robinho
Foto: Divulgação/Santos

Pode-se dizer o que for de Robinho… Menos o que estiver relacionado ao Santos, em termos de resultados, rendimento, performance em campo, de forma negativa… Não se trata de títulos, números, e etc… Se trata de identidade, uma relação recíproca entre as partes, jogador, clube, torcida.

Robinho nem sempre foi correto em sua ações ao longo desses anos com a camisa do Santos, e possivelmente o clube pode não ter sido também, ao lembrarmos do estranho acontecimento do meio de ano passado, onde até dizendo que não retornaria enquanto a antiga gestão estivesse no comando (O que acabou não se cumprindo), mas agora, parece que tudo se ajeitou.. Parece ?? Não sei não…

Me chamou muito a atenção nessa semana a tão anunciada ida de Modesto Roma à Itália, para, até então o que se dizia, negociar Robinho… E eis que, no meio do caminho (Pros mais maliciosos, em pleno vôo), nos chega a notícia de que seus agentes conseguiram a rescisão de seu contrato junto ao Milan.. Bom, já que estamos lá, vamos tentar justificar a ida, vamos falar com Kappa, perguntar como está o Alex, negociar quem sabe um amistoso…. É o que restou…

Confesso que estou ansioso para a volta de Modesto… Pouco me importa o resultado de sua viagem, se existem possibilidades com a Kappa, se serão vendidos Gabriel e Gustavo Henrique, se vai ter amistoso… No momento, estarei atento para a reação do presidente, quando questionado se ele sabia ou não da existência da negociação para a rescisão de contrato do atleta junto ao clube, alguém terá que lhe perguntar isso…

Se sim, ok, então sua ida foi mesmo para resolver outros assuntos, e há mesmo a necessidade e urgência de se decidir pelo novo fornecedor de material esportivo, por exemplo, e sabedores das condições impostas pelo atleta para sua permanência, talvez seja questão de acertar apenas parceiros, pagamentos, salários, luvas, meias, sapatos e o que for para anunciar seu novo contrato e o vínculo de cinco anos tão sonhado pelo jogador… Ou não..

Seus agentes sabem que ele ainda tem mercado.. Talvez não na Europa, nos grandes centros do velho continente, mas facilmente pro Brasil, Ásia, mundo árabe, EUA…. E hoje, incluindo o Brasil, esses caras pagam salários elevados, oferecem boas condições, e todos acabam vislumbrando fortunas e uma vida pra lá de confortável para seus tatataranetos… E aí é mais fácil você dizer que tudo depende do clube, se os caras vão pagar ou não o que lhe devem, se vão aceitar seus salários, sua proposta. É melhor você sair como “vítima” (Entre aspas mesmo, porque aí ninguém é vítima de ninguém, essa é a verdade), do que como vilão, como foi em 2005.

Pro Santos, é um dilema complicado… Robinho não sairá barato, se resolver ficar… Seu custo será muito elevado, pra um clube que não tem bufunfa, não será uma contratação que visará render uma grana em uma possível venda, e será necessário todo um trabalho especial para bancá-lo e garanti-lo no  clube… Mas é essencial… É fundamental que Robinho fique no Santos..

Robinho atingiu no Santos o status de ídolo, merecidamente, por sinal.. E isso não é negociável… Pro momento do nosso futebol então, qualquer equipe do Brasil adoraria contar com ele.. É o sonho do Gilvan, o Flamengo só de olho, assim como Galo, SP, e tantos outros.. Porque é um cara que agrega, que pode trazer resultados, títulos, carisma, e tudo mais… Mas entre eles e o Santos, existe a diferença que é fundamental, e não é a identificação.. É a relação custo-benefício..

Pro Flamengo, talvez possa não valer à pena investir essa grana toda, é uma diretoria nova, que parece estar colocando nos trilhos financeiramente o clube carioca, ao menos, as referências desses caras junto aos torcedores é muito boa, na maioria… Pro Cruzeiro talvez sim pela grana que arrecadou vendendo seus jogadores… Mas tenho a impressão de que se for sair do Santos, Robinho vai mesmo pra fora..

A única certeza nessa história, é que, pro Santos, Robinho é mais que um investimento, e aceitar suas condições, mesmo que isso impacte de forma considerável no faturamento do clube, é mais que a manutenção do jogador, é o agradecimento e o reconhecimento pelos ótimos serviços prestados ao longo desses anos, por nos ter feito muito felizes em várias oportunidades, e, principalmente, por nos ter devolvido a um presente de glórias, conquistas e imensas alegrias.

Foto: Divulgação/Santos



Um torcedor apaixonado pelo Santos FC