5 erros que o Flamengo não pode cometer no clássico contra o Vasco

Gilvan de Souza/Flamengo

Já houve época em que Vasco e Flamengo protagonizavam grandes decisões dos mais importantes campeonatos do país, mas hoje a realidade é bem diferente. Quando entrarem em campo neste domingo, às 16h (horário de Brasília), na Arena Pantanal, em Cuiabá, cruz-maltinos e rubro-negros estarão brigando por três pontos para melhorarem um pouco a situação no Campeonato Brasileiro, em que ambos amargam a zona de rebaixamento.

LEIA MAIS:
“Clássico dos Milhões”: veja 5 jogadores que podem decidir para o Flamengo!
Vasco x Flamengo: Veja os números do confronto no Brasileirão
Ídolo do Flamengo, Adílio fala sobre seu clássico inesquecível contra o Vasco
Lembra dele? Douglas Silva fala sobre o seu Flamengo x Vasco inesquecível

Em 17º lugar, o Flamengo pode sair do Z-4 se vencer o rival, lanterna e que ainda não venceu no Nacional. Por isso o técnico Cristóvão Borges não permite lapsos em campo. A seguir, o Torcedores.com elenca cinco erros que o Urubu não pode cometer no clássico se quiser sair de Cuiabá com os três pontos.

Acompanhe!

1) Falhas individuais
Após vencer dois jogos seguidos, o Flamengo tinha tudo para emplacar uma série que o deixaria mais longe do risco de rebaixamento, porém a derrota para o Atlético-MG no Maracanã foi um verdadeiro balde de água fria. No primeiro gol do Galo, inclusive, o zagueiro Samir falhou feio ao errar o domínio e jogou contra o próprio gol. Em Cuiabá, o jovem defensor do Fla admitiu a culpa na última rodada e crê que os equívocos individuais são a causa de o time estar na situação que está. Vale lembrar que o lateral Pará também fez gol contra na derrota para o Fluminense há algumas rodadas. Por isso todo elenco rubro-negro sabe que a história tem que ser diferente no clássico.

2) Defesa vazada
Se o Flamengo tomou apenas 10 gols em todo Campeonato Carioca, em oito rodadas no Brasileirão, a defesa rubro-negra já falhou 12 vezes, amargando a segunda colocação no ranking de piores defesas da competição. Apesar de enfrentar o Vasco, a pior defesa disparada, com 17 gols tomados, vacilar lá atrás só vai dar mais confiança para os atacantes cruz-maltinos. Wallace e Samir, dessa maneira, precisam mostrar serviço para dar a segurança que o resto do time precisa.

3) Direção torta
Cristóvão Borges não pode reclamar que seus comandados não tentam chegar ao gol. O Flamengo finaliza consideravelmente até aqui no Brasileiro, mas o problema é a falta de pontaria. Segundo o Footstats, o Rubro-Negro é o quarto clube que mais erra finalizações, por isso não adianta chegar na frente do goleiro Charles (que substitui Martin Silva) se não balançar as redes…

4) Bola alta para quê?
Alecsandro foi embora e Paolo Guerrero ainda não chegou à Gávea. O Flamengo não tem um centroavante em campo no momento, mas o time vem insistindo demais nas bolas alçadas na área. Pior: a equipe de Cristóvão é a que mais erra cruzamentos no Brasileirão disparada, com 171 bolas equivocadas na área do adversário. Sem um atacante de referência, fica difícil apostar nessa jogada, por isso é uma arma para o Rubro-Negro procurar as jogadas pelo meio-campo com rapidez na transição para os três atacantes na frente.

5) Sem inspiração no meio 
Se apostar nas jogadas pelo meio-campo é uma boa para o Flamengo, o time esbarra no problema de não ter um armador de peso. Claramente falta aquele jogador que chame a responsabilidade para fazer as coisas acontecerem, lançar com qualidade aos atacantes e também tentar algo de diferente num drible. Por isso que, enquanto a diretoria não contratar alguém de nome, Cristóvão pode tentar compensar com Alan Patrick, jogador que despontou há alguns anos no Santos, mas que não manteve a regularidade nos outros times. Ou mesmo os esquecidos Arthur Maia e Lucas Mugni, esse último que de tanto mofar no banco pode sair em breve. Talvez seja o momento de queimar os últimos cartuchos para fazer voltar a inspiração no meio flamenguista.

Curtiu a matéria? Siga o autor no Twitter: @fontes_matheus.
Facebook: Matheus Martins Fontes.

Foto: Gilvan de Souza/Flamengo


Esportista de hobby, mas jornalista de profissão. Trabalhou como repórter do O Estado de S. Paulo, Revista TÊNIS. Tênis Virtual e CurtaTÊNIS em coberturas nacionais e internacionais de grandes eventos.