Pedro Rocha, o maestro uruguaio

Era uma vez um garoto chamado Pedro Virgilio Rocha Fanchetti, o Pedro Rocha. Ele nasceu em Salto, no Uruguai, no dia 3 de dezembro de 1942. Esse menino tinha talento com a bola nos pés, tanto que aos 18 anos de idade se tornou profissional no Peñarol, um dos maiores clubes do seu país:

Neste clube ele foi tricampeão da Libertadores (60,61 e 66), bicampeão mundial (61 e 66) e sete vezes campeão uruguaio.

Em 1970, depois de levantar tantos troféus no Uruguai e liderar o  maior esquadrão da história do Peñarol, “El Verdugo” foi contratado a peso de ouro por um clube paulista:

No São Paulo Pedro Rocha foi dono da camisa 10, bicampeão paulista (1971 e 1975), campeão brasileiro (1977), disputou 375 jogos e marcou  113 gols. O meia-atacante uruguaio foi maestro em duas grandes gerações de jogadores do tricolor do Morumbi. A primeira com Gérson, Toninho Guerreiro, Terto e companhia. A segunda junto com Muricy,  Serginho Chulapa, Waldir Peres, Dario Pereyra e outros craques:

Em 1977 Pedro Rocha, que disputou quatro Copas do Mundo pelo seu país, deixou o São Paulo. A partir daí passou por Coritiba, Palmeiras, Bangu, Deportivo Neza, Monterrey (ambos do México) e Al-Nassr (Arábia Saudita). Mas sua estrela brilhou mais quando vestiu uma camisa de três cores:

Infelizmente, no dia 2 de dezembro de 2013, Pedro Rocha…

…Mas “El verdugo” estará sempre vivo nos corações dos apaixonados por futebol e, principalmente, dos torcedores do tricolor paulista.

Foto: reprodução/Youtube



Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo, apaixonado por futebol e esportes americanos. Já trabalhei nos sites ativo.com e o2porminuto.