Coutinho: de idealizador a criador do maior Flamengo de todos os tempos!

Arquivo/Flamengo

A temporada de 1981 é até hoje considerada a melhor da história do Flamengo. Em um espaço de 20 dias do mês de dezembro, o Rubro-Negro conquistou três títulos e levou a massa à loucura. Entretanto, no dia 27 de novembro, ou seja, em meio às decisões do Campeonato Carioca, da Libertadores e, finalmente, do Mundial Interclubes, o grande idealizador desse supertime, Cláudio Coutinho falecia aos 42 anos.

LEIA TAMBÉM:
Corinthians pede e Flamengo estuda não escalar Sheik e Guerrero no jogo entre as equipes

Ainda quando criança, Coutinho trocou o Rio Grande do Sul pelo Rio de Janeiro com sua família. Desde a infância, era apaixonado por esportes e até saiu do país para fazer cursos. Esses conceitos foram importantes para levá-lo à comissão técnica da seleção brasileira tricampeã do mundo em 1970 como preparador físico.

Bagagem
Grande estudioso, Coutinho assistia a muitos jogos, desde as categorias de base, e detinha vasto conhecimento tático. A partir daí dirigiu a seleção peruana, foi coordenador do Brasil na Copa de 1974, treinou o Olympique de Marselha, da França e a seleção brasileira olímpica em 1976.

Assim que terminou seu trabalho nos Jogos de Munique, Coutinho assumiu o Flamengo, onde comandou o Rubro-Negro em dois períodos – 1976-77 e 1978-80 – sendo campeão brasileiro em 1980 e tricampeão carioca 1978-79-79 (especial). O período em que estava fora da Gávea foi para ser técnico do Brasil na Copa do Mundo da Argentina em 1978. Coutinho ficou famoso, entre outros motivos, por criar o termo “overlapping”, a ultrapassagem do lateral em jogada com o ponta.

Base do melhor Flamengo da história
Após vencer o Brasileiro de 1980, o primeiro de Zico, Coutinho deixou o clube por problemas com a diretoria. A base formada foi usada pelo substituto Paulo César Carpegiani. O ex-técnico do Urubu veio a falecer, com apenas 42 anos, enquanto praticava a pesca submarina, a exatamente quatro dias depois da conquista da Libertadores, em meio à decisão do Carioca de 1981 contra o Vasco e pouco antes do título Mundial Interclubes sobre o Liverpool, no Japão.

Antes mesmo da conquista da Tríplice Coroa, Coutinho já via um final feliz pela base formada do Flamengo e deixou claro em sua última entrevista. “Tenho certeza que o Flamengo será campeão mundial de clubes porque acho que está escrito”.

Com 266 jogos e 180 vitórias à frente do Flamengo, Coutinho tem um dos melhores aproveitamentos entre todos os técnicos que já passaram pelo Rubro-Negro: 75.06%. Em apenas em 2 anos e 3 meses (entre agosto de 1978 e novembro de 1980), conquistou 16 títulos, entre campeonatos, turnos do Estadual e torneios internacionais.

Curtiu a matéria? Siga o autor no Twitter: @fontes_matheus.
Facebook: Matheus Martins Fontes.

Foto: Arquivo/Flamengo



Esportista de hobby, mas jornalista de profissão. Trabalhou como repórter do O Estado de S. Paulo, Revista TÊNIS. Tênis Virtual e CurtaTÊNIS em coberturas nacionais e internacionais de grandes eventos.