Doze anos após vitória alemã, EUA têm uma nova chance para se redimir

No próximo dia 30, no Estádio Olímpico de Montreal, acontecerá o jogo entre Alemanha e EUA, duelo válido pelas semifinais da Copa do Mundo Feminina do Canadá. As germânicas lideram o ranking de seleções femininas da Fifa, enquanto que as americanas estão em segundo lugar. Esse jogo representa muito para história do futebol feminino, já que é uma reedição da semifinal do mundial de 2003, onde a Alemanha venceu os EUA, que eram os donos da casa, por 3X0 e avançaram para final.

O blog Mulheres do Futebol resolveu falar sobre o brilho daquela grande semifinal, homenageando quatro grandes jogadoras que estiveram em campo naquele dia, a começar pelas alemãs.

Naquela época, a seleção européia tinha grandes atletas em sua equipe e uma delas era a atacante Birgit Prinz, que foi três vezes a melhor jogadora do mundo, entre 2003 e 2005 e é considerada a maior jogadora de todos os tempos. Prinz, que possui 14 gols em copas, jogou por sua seleção de 1994 a 2011, disputou 214 jogos e marcou 128 gols. No mundial de 2003, ganhou a bola de ouro do torneio e foi também a artlheira, com 7 gols marcados, um deles na justamente na semifinal contra os EUA, fechando o placar.

Outra grande estrela germânica que estava naquela partida era a meia Bettina Wiegmann, uma das maiores jogadoras da história do futebol feminino e também uma das únicas jogadoras da história a marcar pelo menos dois gols em quatro Copas diferentes (a outra é Mia Hamm). Possui mais de 150 jogos pela seleção germânica e marcou 50 gols, um deles no último minuto da semifinal da Copa de 1995, garantindo a vitória contra a China e levando as alemãs à sua primeira decisão mundial. Jogou na seleção da Alemanha de 1989 a 2003 e foi capitã do time nos mundiais de 1991, 1995, 1999 e 2003, liderando a equipe em sua primeira conquista de Copa do Mundo.

Realmente essas duas alemãs jogavam muito bem, mas quando se tratava de grandes jogadoras, as americanas não ficavam atrás, pois tinham em seu elenco grandes nomes como a lendária atacante Mia Hamm.

Eleita melhor jogadora do mundo em 2001 e 2002, Hamm foi durante muitos anos a maior artilheira da seleção norte-americana com 158 gols em 275 jogos disputados (foi superada em 2013 por Abby Wambach). A atacante foi também a mais jovem atleta americana a ser campeã mundial em qualquer esporte, pois tinha apenas 19 anos quando ajudou a seleção dos EUA a vencer a primeira copa feminina, em 1991. Toda essa qualidade técnica lhe rendeu diversas honrarias no decorrer da carreira, uma delas é estar na lista da Fifa feita por Pelé em 2004, listando os 125 maiores jogadores vivos da história do futebol.

Além de Hamm, outra grande jogadora norte-americana que participou daquele jogo foi a “interminável” meia atacante Kristine Lilly, que jogou na seleção de seu país de 1987 a 2011, ano em que encerrou a carreira, aos 39 anos. Ganhando duas copas do mundo (91 e 99) e duas Olimpíadas (Atlanta-96 e Pequim-2008), Lilly, que detém o recorde de 352 convocações por uma seleção, seja ela masculina ou feminina, se aposentou como segunda maior artilheira dos EUA com 130 gols marcados.

No jogo de 2003, Brigit Prinz foi a principal arma para as germânicas chegarem a grande final, já que acabou se destacando com um gol e uma assistência na partida.

No próximo dia 30, as americanas, lideradas pela centroavante Abby Wambach, farão de tudo para vencer esta “revanche” e avançarem para final em busca de um inédito tricampeonato. Só que para isso, terão que conter não só a artilheira germânica Celia Sasic que marcou 6 gols no torneio, mas todo o forte ataque da Alemanha, que marcou 20 gols em apenas 5 jogos.

 Veja abaixo, os melhores momentos desta semifinal, que teve vitória alemã: