Goleiros históricos da seleção brasileira: Waldir Peres – o rei dos pênaltis

Goleiros históricos da seleção brasileira: Waldir Peres - o rei dos pênaltis - Foto: Reprodução

A seleção brasileira de futebol já teve mais de 10 goleiros. Mas, nem todos tiveram a sorte de conquistar uma Copa do Mundo de Futebol. Waldir Peres é um deles. Foi para três Mundiais pela seleção (1974, 1978 e 1982), sendo titular apenas na Copa da Espanha, quando o Brasil tinha tudo para levar o título mas tropeçou na Itália, de Paolo Rossi, nas quartas-de-finais.

LEIA MAIS
Marcos: o “Santo” que iluminou o caminho da seleção pentacampeã em 2002
Carreira de Julio César na seleção teve títulos, mas também marcas negativas
 

Nascido em Garça (SP), em 1951, Waldir Peres de Arruda, mais conhecido como Waldir Peres, teve uma longa carreira como goleiro. Passou pelo Corinthians, Ponte Preta, Portuguesa e São Paulo, onde ganhou destaque nas 611 partidas disputadas. Com ele, o time tricolor paulista venceu três paulista (1975, 1980 e 1981) e um campeonato brasileiro (1977). Waldir foi por muito tempo o atleta que mais disputou jogos com a camisa do tricolor paulista, mas foi ultrapassado por Rogério Ceni, em 2005.

Na seleção brasileira, Waldir disputou 30 partidas (25 vitórias, 4 empates e 1 derrota), sofreu 20 gols e levantou as taças da Copa Rio Branco (1976), Copa Roca (1976) e Taça do Atlântico (1976). Além de ter defendido a camisa verde e amarela em três Copas do Mundo.

Três momentos cravaram o nome do goleiro na história da seleção brasileira. O primeiro foi em 1981, em um amistoso em Stuttgart, contra a anfitriã Alemanha. Waldir fez o que nunca se imaginaria: agarrou dois pênaltis seguidos. O Brasil venceu de 2 a 1 e faltavam poucos minutos para acabar o jogo, quando Luisinho o juiz marcou um pênalti contra a seleção. Quem bateu foi Paul Breitner, que costumava acertar todos os pênaltis , mas naquele dia ele não estava tão certeiro assim e o goleiro Waldir estava inspirado. Chutou a 1ª vez, Waldir agarrou. Mas, o juiz mandou cobrar de novo, alegando que o goleira teria se adiantado. Breitner chutou pela 2ª vez e mais uma vez o goleiro brasileiro defendeu. E foi lá que ganhou o apelido na seleção de “pegador de pênaltis”.

Confira o lance:

Em questão de segundos ou um jogo, o goleiro pode passar de herói para vilão. E foi o que aconteceu com Waldir Peres durante a Copa de 1982. Dois episódios deixaram marcas ruins na carreira dele. Na vitória de estreia do Brasil, por 2 a 1, contra a União Soviética (URSS), o goleiro levou “um dos maiores frangos da história das Copas”. Quando o jogador Bal chutou e Waldir não abaixou para defender a bola e com isso, a URSS abriu o placar com 1 a 0.

Reveja alguns momentos desse jogo:

O terceiro e último momento que marcou Waldir, mas que ele gostaria de esquecer foi a derrota por 3 a 2 para a Itália. Ele levou os três gols do artilheiro italiano Paolo Rossi e que eliminaram o Brasil da Copa de 1982, quando tinha grandes chances de levar mais uma taça.

Foto: Reprodução



Jornalista pós-graduada em jornalismo esportivo e apaixonada pelo basquete desde os 11 anos de idade, independente do campeonato e da nacionalidade.