Mário Sérgio desdenha de técnico do Santos e irrita Elano: “não caiu de para-quedas”

O clima esquentou no Fox Sports Rádio Night, desta segunda-feira (29). Durante um debate sobre a real importância de um técnico para o desempenho de uma equipe, o comentarista Mário Sérgio e o meia do Santos, Elano, divergiram com veemência a respeito do atual treinador do alvinegro da Vila Belmiro, Marcelo Fernandes.

LEIA MAIS:
Em novo programa, Tiago Leifert falará de tecnologia e cultura nerd
“Os caras não estão nem aí”, critica capitão do tri sobre atual geração da seleção

Convicto de que o profissional não teria ainda capacidade para dirigir um time grande como o Santos, Mário Sérgio disse que ele havia caído de para-quedas no cargo, insinuando também que o elenco santista, na época, foi quem forçou a barra para que Enderson Moreira fosse demitido e desse lugar para o novato.

Incomodado com a colocação, Elano defendeu o comandante. “O Marcelo é o nosso cara de confiança. Ele não caiu de para-quedas. Falam tanto de renovação no futebol, ele é um cara novo. A gente pediu (à diretoria) para contar com ele”, esclareceu.

Porém, Mário Sérgio não se deu por vencido e disse que, se fosse assim, que o elenco pedisse, portanto, que o salário dele fosse aumentado, já que as responsabilidades, no Brasileirão, são maiores que no Paulistão, quando assumiu o comando.

Elano então afirmou que o grupo santista faria isso e continuou o raciocínio de forma contundente. “Eu discordo do Mário, porque ele é um cara que não caiu de para-quedas lá. O Santos está jogando com nove moleques da base, mano”, disse, usando até uma gíria para enfatizar sua opinião.

Ele é um interino que deu certo, ganhou o Campeonato Paulista. Ele é um cara lá de dentro”, defendeu o meia, que atuou como auxiliar de Serginho Chulapa, o auxiliar-técnico oficial do clube, no clássico contra o Corinthians, semana passada, quando Marcelo Fernandes estava suspenso, por ter sido expulso um jogo antes.

O jogador ainda chegou a dizer que pretende, sim, se tornar um técnico no futuro e comentou que é importante a um grupo de jogadores sentir firmeza em seu treinador, já que, se isso não acontece, “desanda a maionese”.

Foto: Divulgação / Santos FC



Tudo o que preciso é um papel e uma caneta. Apaixonado por esportes desde 1900 e bolinha: de futebol, basquete, tênis, rugby...