Opinião: Veja as notas dos jogadores do Palmeiras no clássico

César Greco/Ag. Palmeiras

No último domingo, o Palmeiras realizou um dos melhores jogos na temporada ao bater o São Paulo por 4 a 0 no Allianz Parque. Com um placar elástico como esse e diante um dos melhores times do Brasileirão, fica difícil apontar defeitos aos jogadores do Verdão, que, em sua grande maioria, agradaram sua exigente torcida.

LEIA TAMBÉM:
Pés no chão! Rafael Marques quer Palmeiras com “mesma pegada” nos próximos jogos
Marcelo Oliveira elogia técnica de Cristaldo e se diz contra sua saída do Palmeiras
No Palmeiras, Egídio crava: “conseguimos uma vitória convincente”
Palmeiras quebra tabu de 23 anos sem fazer quatro gols no São Paulo pelo Brasileirão
Palmeiras atropela o São Paulo e confirma reação no Brasileiro; confira os gols

Ainda assim, o autor dessa matéria e o repórter Rogério Lagos analisaram jogador por jogador no clássico para apontar os melhores do grupo de Marcelo Oliveira.

Concorda ou não? Deixe sua opinião!

Fernando Prass: Goleiro foi pouco exigido no clássico, mas foi seguro quando necessário principalmente nas bolas altas e na antecipação dos lançamentos para os atacantes do São Paulo. Nota 7

Lucas: Lateral ficou mais atento à marcação na partida, sendo eficiente em parar as infiltrações e os lançamentos de Michel Bastos. Nota 6

Vitor Hugo: Zagueiro bastante seguro, principalmente nas roubadas de bola. Pelo alto vem mostrando boa evolução e um melhor posicionamento. Cada vez mais titular. Nota 7

Victor Ramos: Começou mal a partida levando dois dribles secos de Alexandre Pato, porém se redimiu com o gol e outra cabeçada na trave. Ainda precisa melhorar a cobertura, principalmente nos contra-ataques. Nota 6,5

palmeiras-sao-paulo-egidio-disputa-cabeceia-480-cesar-greco-divulgacao

Egídio: Melhor do Palmeiras no clássico, com três assistências para os gols do time e várias roubadas de bola. Mostrou ser o Egídio do Cruzeiro de 2013/2014. Nota 9

Gabriel: Novamente preciso nos desarmes, porém ainda um pouco violento em algumas jogadas. Continua sendo, de longe, o melhor do meio-campo do Palmeiras na temporada. Nota 7

Arouca: Melhor partida do volante no Palmeiras. Seguro, bons passes e ainda apareceu na frente, como também é de sua característica desde os tempos de Santos. Precisa de consistência para formar um meio de campo sólido ao lado de Gabriel. Nota 7,5

Dudu: Muita correria, pouca efetividade. Ainda não mostrou o potencial pelo qual o Palmeiras desembolsou quase R$ 20 milhões, mas ao menos apoiou bastante na marcação. Nota 6,5

Robinho: Fez uma partida apenas regular, porém não comprometeu. Nota 5,5

11663930_838600459568296_867453200_o

Rafael Marques: Cada vez mais mostra que pode ser o “homem gol” do Palmeiras, mesmo sem jogar fixo na grande área. De quebra, ainda ajuda na recomposição do meio-campo. Nota 8

Leandro Pereira: Soube muito bem aproveitar a oportunidade dada por Marcelo Oliveira e fez o primeiro gol, com certa dose de sorte. Precisa melhorar muito o domínio de bola quando faz o trabalho de pivô. Na ausência de Alecsandro, deve se manter entre os titulares se Marcelo optar por um atacante de referência. Nota 6,5

Cleiton Xavier: Entrou no segundo tempo, mas ainda mostra falta de ritmo e tempo de bola. Desde que voltou do futebol ucraniano, não mostrou o nível daquele CX8 do Palmeiras de 2009 e 2010. Nota 5

Cristaldo: Poderia ser o titular do Palmeiras, só que mostra que rende mais quando sai do banco. Muita garra e bom posicionamento na área para anotar o quarto gol. Nota 7,5

Gabriel Jesus: Muita correria e disposição física, porém ainda não fez uma apresentação digna de quem foi tratado com um dos maiores talentos da nova geração do Brasil. Nota 5

11664975_838600952901580_1660913795_o

Marcelo Oliveira: Aos poucos vai conhecendo o elenco e montando o Palmeiras que o torcedor quer ver. A postura tática do time demonstrou que a evolução é uma questão de tempo. Nota 8,5

Curtiu a matéria? Siga o autor no Twitter: @fontes_matheus.
Facebook: Matheus Martins Fontes.

Foto: César Greco/Ag. Palmeiras


Esportista de hobby, mas jornalista de profissão. Trabalhou como repórter do O Estado de S. Paulo, Revista TÊNIS. Tênis Virtual e CurtaTÊNIS em coberturas nacionais e internacionais de grandes eventos.