“Os caras não estão nem aí”, critica capitão do tri sobre atual geração da seleção

Foto: Reprodução/SporTV

Para o capitão do tri campeonato mundial da seleção brasileira de futebol e hoje comentarista do SporTV, Carlos Alberto Torres, a atual geração de jogadores, que vestiu a amarelinha na Copa América, não tem comprometimento algum e sequer respeita a instituição que eles defendem dentro de campo.

LEIA MAIS:
Galvão Bueno nega fazer as pazes com o “Pânico”, da Band, após polêmica com repórter
Galvão Bueno faz duras críticas a Dunga e pede: “precisamos zerar a pedra”

De acordo com ele, isso é demonstrado não apenas no comportamento de boa parte deles no gramado, como – e principalmente – fora, ao se vestir de maneira não condizente com a de um profissional que está focado em seu trabalho.

“Deste jeito o Brasil não vai ganhar nada. Por que a CBF não começa a mudar? Tem de mudar essa coisa de cultura também. Começa daí (do vestuário), aí que você vê se o jogador está com a cabeça para servir a Seleção ou não. Perdeu e está tudo bem, eles vão embora, não tem de encarar o torcedor no domingo no Maracanã. Eles levam a coisa errada de fora para dentro de campo”, esbravejou o Capita, durante o Troca de Passes, neste domingo (28).

“Quando chegam lá (na Europa), são todos profissionais e aqui ficam de oba-oba. Enquanto não mudar comportamento extracampo, não vai mudar nada. Os caras não estão nem aí se o Brasil vai ganhar ou não. Antigamente, dependiam da Seleção para fazer um bom contrato. Agora jogam lá fora, que se dane. Não dependem da Seleção para ganhar nada, pois já têm um belo contrato”, cutucou, com veemência, o ex-jogador.

Visivelmente irritado, Carlos Alberto Torres também alertou que o fraco desempenho do Brasil no torneio continental, onde foi eliminado para o Paraguai, nos pênaltis, no último sábado (27), pode se refletir em algo ainda pior, já que apenas Neymar é um jogador que inspira confiança hoje.

“Existe um ditado assim: quando você tem um time bom, você diz: “Posso até não ganhar”. Já quando tem um time mais ou menos, diz: “Posso até ganhar”. É o caso do Brasil”, lamentou o ex-lateral-direito, que fez parte de uma das melhores seleções de todos os tempos, que venceu a Copa de 1970.

Foto: Reprodução / TV



Tudo o que preciso é um papel e uma caneta. Apaixonado por esportes desde 1900 e bolinha: de futebol, basquete, tênis, rugby...