Raí: relembre os grandes feitos do maestro do São Paulo

Crédito de imagem: Reprodução Facebook

De todos os camisas 10 do São Paulo, Raí pode não ter sido o melhor, mas com certeza deixou seu nome na história tricolor. Raí Souza Vieira de Oliveira, o meio-campista irmão do ex-jogador Sócrates, iniciou a sua carreira no Botafogo de Ribeirão Preto.

O maestro estreou no tricolor paulista no dia 18 de outubro, no ano de 1987, na derrota para o Grêmio, em partida válida pelo Copa União. Mas o ídolo do Morumbi logo foi deixando seu cartão de visitas contra o Goiás. Veja os melhores momentos do jogo:

São Paulo 2 x 0 Goias – Copa União

Gols de cabeça não eram difíceis para o atleta de 1,89 m. Este foi só o primeiro dos 131 gols com a camisa do São Paulo. Gols que entraram para a história e conquistaram títulos, como em sua primeira passagem pelo Morumbi, quando teve 20 gols marcados no Paulista de 1991, já vestindo a camisa 10. No primeiro jogo da decisão contra o Corinthians, Raí, em uma tarde iluminada, marcou os três gols da vitória são paulina, veja:

São Paulo 3 x 0 Corinthians – Final Campeonato Paulista 1991

A partida de volta não precisou ter seu placar alterado, o 0 a 0 garantiu o titulo. Mas Raí queria mais, faturou o Campeonato Brasileiro ainda em 1991, a Libertadores da América de 92 e 93. Anos esses de ouro para o time preto, vermelho e branco que contava com Zetti, Palhinha, Cafu, Ronaldão, Raí e outros jogadores que levaram o time ao bicampeonato da competição sul americana. Mais uma vez o meia deixou a sua marca com um golaço no primeiro jogo da final contra o Universidad Católica. Veja os gols da partida e preste bem atenção no gol do nosso meia aos 3min17 do vídeo.

Libertadores 93 – São Paulo 5 – 1 Universidad Católica

Com a conquista da Libertadores, o gênio da camisa 10 foi conquistar o mundo. E assim o fez nos Mundial de Clubes de 1992 e 93, em especial no primeiro quando foi até o Japão e mais uma vez arrasou com o Barcelona. Em um jogo disputadíssimo, Raí mostrou para o mundo da bola o seu bom futebol e marcou os dois gols da vitória. O primeiro foi estranho, meio sem jeito, empurrando a bola com a barriga já o segundo foi no seu melhor estilo. Falta no canto direito do goleiro Zubizarreta.

No dia 3 de junho de 1993, o nosso meia fez sua despedida rumo ao PSG. O último grande ato foi contra o Santos, em uma vitória maiúscula em cima do time da Vila, com direito a gol de despedida, veja:

São Paulo 6×1 Santos – Despedida de Raí 1993

Não foi um adeus, mas sim um até breve de aproximadamente cinco anos, no dia 10 de maio de 1998, porém agora com a camisa 23. O meia não precisou de 30 minutos para mostrar por que é o ídolo da torcida, ajudou o time a conquistar o Paulistão daquele ano, veja o gol dele na volta ao Brasil, na voz de Galvão Bueno:

Raí volta da França e acaba com o Corinthians

Antes de pendurar as chuteiras o meio – campista ainda ajudou o São Paulo a ser campeão do Paulista de 2000. Raí fez sua ultima partida na carreira com a camisa que o consagrou para o mundo aos 35 anos de idade, no dia 22 de julho de 2000, contra o Sport, pela Copa dos Campeões e deixa saudade para a torcida tricolor não apenas pelos gol de falta mas também pelos seu passes milimétricos e liderança dentro de campo.

Veja todos os títulos do maestro da camisa 10:

São Paulo:

Campeonato Paulista: 1989, 91, 92 98, 2000
Libertadores da América: 19932, 93
Copa Intercontinental (Mundial de clubes): 1992
Campeonato Brasileiro: 1991

PSG:

Campeonato Francês: 1994
Super Copa da França: 1995,98
Copa da França: 1995,98
Recopa Européia: 1996
Copa da Liga Francesa: 1996

Seleção Brasileira:

Copa do Mundo: 1994

*Todos os vídeos foram retirados do YouTube

Crédito da foto: Facebook oficial do Raí



Sou jornalista formado na FIAM (FACULDADES INTEGRADAS ALCÂNTARA MACHADO), trabalho na redação de esporte da Tv Bandeirantes, repórter do Torcedores.com, apaixonado por esportes, com destaque em futebol, automobilismo e lutas.