Rebeca Gusmão conta como superou a depressão e revela: “eu pedi para morrer”

A vida da ex-nadadora Rebeca Gusmão, apesar de ainda curta, já que tem apenas 30 anos de idade, já foi recheada de altos e baixos. Literalmente. E foi depois de atingir o ponto mais baixo de todos, a depressão e duas tentativas de suicídio, que ela deu a volta por cima e hoje se vê no ponto mais alto.

LEIA MAIS:
Exclusivo: ex-ginasta Josi Santos conta como acidente de Laís Souza abalou sua vida
Repórter da CBN faz “vaquinha” na internet para disputar Mundial de Natação

Em entrevista para o Esporte Espetacular, neste domingo (28), ela abriu o coração e contou como superou a depressão e a dor de ter sido banida do esporte, após ter sido flagrada no anti-doping, quando estava no auge de sua carreira como nadadora.

“Teve um momento que pensei: não quero mais viver. Não quero mais sentir dor. Chega. Eu não tenho mais força para sentir dor”, revelou e, bastante emocionada, disse que pediu para morrer, de tanta angústia que sentia.

Rebeca contou que superou essa fase praticando a mesma atividade que a fez cair nela: a natação. Hoje, bem mais magra, após perder mais de 40 kg, da época que entrou em depressão, e formada em Educação Física, a ex-atleta trabalha como personal trainner e dá aulas em academias de Brasília, sua cidade.

Ela creditou sua recuperação também à ajuda de familiares, em especial sua madrinha, que a incentivou a voltar a nadar, e ao perceber que sua doença estava afetando outras pessoas. “Quando você realmente volta pra vida e você olha pra sua família, é que a gente vê o quanto a gente está sendo egoísta. Porque a gente quer acabar com aquele sofrimento, mas na verdade a gente está gerando um sofrimento maior para um monte de gente”, disse.

Rebeca Gusmão era uma das atletas brasileiras mais promissoras que surgiu no início deste século. Ela foi destaque em diversos campeonatos nacionais de natação e viveu o ápice no Pan-Americano de 2007, no Rio de Janeiro, quando ganhou duas medalhas de ouro, sendo a primeira mulher a conseguir o feito pelo país.

Foto: Reprodução / Instagram



Tudo o que preciso é um papel e uma caneta. Apaixonado por esportes desde 1900 e bolinha: de futebol, basquete, tênis, rugby...