Valdívia acumulou mais lesões que gols na segunda passagem pelo Palmeiras

O meia Valdívia foi anunciado pelo Al Wahda, dos Emirados Árabes, e provavelmente não deve mais vestir a camisa do Palmeiras. O jogador ainda não falou sobre o caso porque está defendendo o Chile na Copa América, disputada no país de origem do atleta.

LEIA MAIS:
“Parece que o estádio é ótimo, mas a grama não,” diz Osório

Quando resolveu repatriar Valdívia, o então presidente Luiz Gonzaga Belluzzo se comprometeu a pagar quase R$ 15 milhões. Como o Palmeiras não tinha esse valor disponível, o jeito foi pedir ajuda para o conselheiro Osório Furlan Júnior, que ficou com 36% do passe de Valdívia e desembolsou mais de R$ 4 milhões.

A outra parte foi concedida por carta de crédito através do banco Banif. Como o clube não arcou as parcelas no tempo certo, a dívida por Valdívia aumentou para quase R$ 60 milhões.

Além disso, o departamento financeiro do clube contabiliza mais de R$ 25 milhões entre salários e luvas. Ou seja, as despesas para ter Valdívia foram enormes e não foram tão objetivas em campo.

Desde 2010, Valdívia participou de 148 jogos (43,7%). O Palmeiras jogou 338 vezes no período. Ou seja, Valdívia ficou de fora de 132 partidas, além de mais 52 ausências por meio de convocações e outros problemas.

Outro fato curioso é que Valdívia acumulou mais lesões do que gols. Foram 19 problemas físicos contra 17 gols, segundo levantamento feito pelo Diário Lance!.



Thiago Gomes é Administrador de Empresas. Trabalha com estratégias digitais e consultoria de e-commerce. É palmeirense e um apreciador do futebol, tanto nacional quanto internacional. Escreve para site esportivo desde 1996.