Audiência entre Flamengo e Ronaldinho Gaúcho é adiada mais uma vez

Crédito da foto: Getty Images

O Flamengo pediu o adiamento da audiência pela ausência de testemunhas, dentre elas, Vanderlei Luxemburgo e Zinho, que eram o técnico e diretor de futebol do rubro-negro na época que o RG10 atuava pelo clube da Gávea. A nova audiência deverá ocorrer em setembro.

LEIA TAMBÉM:
Cristóvão aprova estreia de Ayrton no Flamengo 

O reencontro entre Flamengo e Ronaldinho Gaúcho durou pouco mais de 30 minutos. A audiência marcada para a manhã desta sexta-feira foi adiada a pedido do Flamengo. O Juiz da na 9ª Vara do Trabalho aceitou o adiamento pois considera como prova imprescindível do processo o depoimento das testemunhas, ausentes hoje. O advogado do clube alegou ser fundamental ouvir os depoimentos do técnico Vanderlei Luxemburgo, atual técnico do Cruzeiro e comandante de Ronaldinho no Fla e de Zinho, que na época era o diretor de futebol. Ambos não compareceram. A nova audiência foi designada para o dia 4 de setembro.

Após o término da audiência, Ronaldinho foi assediado por advogados, estagiários e funcionários do Tribunal Regional do Trabalho. A advogada do meia, Gislaine Nunes falou rapidamente sobre a audiência adiada:

– Poderemos ter outra audiência no dia 4 de setembro, tudo vai depender do comparecimento ou não das testemunhas (caso não ocorra confirmação de intimação, poderá haver novo adiamento). O adiamento foi pedido do clube. Não posso falar de valores, mas se virem com valores ridículos aí é com Assis. Ele que determina. O jogador nem foi ouvido hoje – disse a advogada de Ronaldinho.

R10 foi contratado pelo clube carioca no início de 2011 para ganhar R$ 1,2 milhão de salários, com 75% arcado pela Traffic. No entanto, a empresa parou de pagar o jogador no segundo semestre e o craque acabou deixando o Flamengo em 2012. Após sair do clube, Ronaldinho entrou na justiça pedindo cerca de R$ 55 milhões. A quantia seria referente a falta de pagamentos de direitos de imagem (R$ 40 milhões) e também por alegados danos morais (R$ 15 milhões).

O departamento jurídico do Flamengo conta com o resultado da perícia ocorrida no processo para desqualificar o pedido do jogador pelos danos morais que teria sofrido. Na perícia, ficou detectada que a instituição, Flamengo, teria sofrido danos à sua imagem, causados pelo atleta no período que defendeu a equipe.

Crédito da foto: Getty Images

Curtiu essa matéria? Siga o autor no Twitter: @allanmadi.