Relembre cinco polêmicas envolvendo Dana White, presidente do UFC

Dana+White+UFC+181+Hendricks+v+Lawler+Rz9Y1Zo_iULl
Getty Images

O empresário e ex-pugilista Dana White é o homem-forte do Ultimate Fighting Championship (UFC). O crescimento da categoria, a principal do MMA, fez com que o presidente da entidade ficasse famoso, e suas declarações e atitudes, ganhassem mais atenção.

LEIA MAIS:
McGregor, sobre Aldo: “Pode correr mas não pode se esconder”

Confira cinco polêmicas envolvendo White. A mais recente delas ao cancelar a luta de José Aldo e Conor McGregor, pelo UFC 189, devido à lesão sofrida por José Aldo, dando chance a Chad Mendes enfrentar McGregor.

Sem chance, Aldo!
Cain Velasquez, Dominick Cruz, Chris Weidman…. Estes e outros lutadores tiveram lutas valendo o título do FUC adiadas por causa de lesão. Alguns, mais de uma vez. Em outras, Dana White se cansou e colocou disputas de interino. Mas com José Aldo as coisas funcionaram de outra forma. Com a lesão na costela, o manauara terá que esperar para recuperar o posto. Dana White alegou que o brasileiro já se retirou de cinco lutas e que “gastou muito dinheiro” na a promoção do combate contra McGregor.

Foi armação?
Após a primeira derrota de Anderson Silva para Chris Weidman, no UFC 162, valendo o cinturão dos médios, fãs do UFC insinuaram nas redes sociais que a luta teria sido armada. Dana White não aguentou e disparou: “É, armações acontecem, seus idiotas de m…”, esbravejou, de acordo com o site “MMAjunkie”. Em seguida, diminuiu o tom e disse: “Tudo aconteceu tão rápido. Mas no replay você vê o Anderson imóvel, com os olhos girando.”

Homofobia, presidente?
Dana é acusado de ser homofóbico por causa de um vídeo publicado em 2009, quando chamou uma repórter de “viado”. Ele tentou se recuperar em 2012, quando colocou Liz Carmouche, primeira lutadora do UFC assumidamente homossexual, para disputar o cinturão do peso-galo contra Ronda Rousey, no UFC 157.

Jab em Mayweather
Dana White adora dar declarações polêmicas e rebater frases do pugilista Floyd Mayweather. Em 2012, Floyd disse que Jeremy Lin, armador do Los Angeles Lakers, só tinha visibilidade na NBA por ser asiático. Dana criticou: “Sim, Floyd, você é racista. Suas declarações foram racistas. Sei que falo para milhões de pessoas, então cale a boca”. Ele detonou o boxeador também por sugerir o também pugilista Manny Pacquiao a “fazer sushi”. “Floyd mandou Pacquiao fazer sushi. Sushi é do Japão e ele é das Filipinas, bobo. Em vez de falar besteira no Twitter, você devia entrar no ringue e fazer uma luta para os fãs do boxe. Lute contra Pacquiao, todo mundo, inclusive eu, quer ver. Se cale, e faça a luta”, disse White, antes que o esperado encontro – e que terminou com vitória de Mayweather – ocorresse. Em outra polêmica, Dana disse que “Floyd seria assassinado se viesse lutar no UFC”, alegando que os atletas de MMA dispõem de muito mais técnicas que os do boxe.

Doping? só para alguns
O UFC não tolera o uso de drogas e anabolizantes pelos lutadores. Mas as medidas costumam ser diferentes – pelo menos até que a pressão popular exija justiça. Em 2012, o UFC liberou o uso de testosterona para Chael Sonnen contra Anderson Silva, no UFC 148, mas anunciou punição a Nick Diaz por testar positivo para maconha, quando derrotado para Carlos Condit. Diaz – que já havia sido flagrado pelo uso da substância no Pride e depois contra o próprio Anderson Silva, recentemente – foi suspenso por um ano e teve de pagar multa de R$ 120 mil. Com Jon Jones, foi preciso um acidente que quase resultou em morte para o UFC agir. Em abril, Jones atropelou uma grávida em Albuquerque, no Novo México, e não prestou socorro. Ele avançou o sinal e colidiu com outro veículo. Este fato fez o UFC tirar seu cinturão dos pesos meio-pesados, já que nem o doping por ter sido flagrado com uso de cocaína, antes de vencer Daniel Cormier no UFC 182, valeu para a entidade.

Crédito da foto: Getty Images



Jornalista graduado pelo UniCEUB, em 2010. Trabalha com esportes desde 2010 e atualmente sub-editor do caderno Torcida, do Jornal de Brasília. Passou também pela redação do Jornal Metro. Cobriu jogos do Brasileiro (Séries A a D), Copa do Mundo-2014 e Campeonato Candango, além de eventos como o Novo Basquete Brasil e a Liga Futsal.