Como Bethe “Pitbull” Correia chega para a luta principal do UFC 190

Divulgação UFC/Getty Images

Há quase um ano, Bethe Correia aguarda por uma chance de lutar pelo cinturão. Antes mesmo de nocautear Shayna Baszler em agosto de 2014, a paraibana já estava de olho no tão sonhado combate contra a campeã dos pesos-galos femininos do UFC, Ronda Rousey. Com o nocaute sobre a parceira de treinos da rival, a brasileira conseguiu chamar a atenção de Dana White, que marcou o duelo para o próximo sábado, dia 1 de agosto, como atração principal do UFC 190 no Rio de Janeiro.

LEIA TAMBÉM:
Em detalhes: Ronda Rousey x Bethe Correia antes do UFC 190
Cara a cara com Ronda, Bethe dispara: “Vem para o pau”
Ronda Rousey afirma que Bethe Correia não foi feita para ser campeã

Invicta com nove vitórias no cartel, três no Ultimate, Bethe estreou na organização em 2013. Desconhecida ainda do público brasileiro, a atleta da academia Pitbull Brothers, em Natal, venceu a norte-americana Julie Kedzie em decisão dividida dos juízes. Na sequência, começou a troca de farpas entre a brasileira e Ronda, sem mesmo entrarem no octógono.

Bethe enfrentou Jessamyn Duke e Baszler, amigas de Ronda, e mostrou ótimo ritmo em ambas as lutas. Na primeira, encurtou a distância contra uma adversária 15cm mais alta, e na segunda, como já citado acima, a paraibana definiu no segundo round com uma sequência impressionante de socos.

Em meio a tantas provocações nesse espaço de tempo, Bethe “Pitbull” Correia não liga para a hegemonia da maior rival e diz que o “cartel de Ronda com 11 vitórias e nenhuma derrota” não vale nada. Na encarada da última quinta-feira, a brasileira chamou a campeã para a briga e apimentou ainda mais o ódio entre as duas. Mas para ganhar de Ronda, a paraibana precisará de estratégia para não ser mais uma a cair na chave de braço da dona do cinturão.

Veja como foi a preparação de Bethe e Ronda para o UFC 190:

Curtiu a matéria? Siga o autor no Twitter: @fontes_matheus.
Facebook: Matheus Martins Fontes.

Foto: Divulgação UFC/Getty Images



Esportista de hobby, mas jornalista de profissão. Trabalhou como repórter do O Estado de S. Paulo, Revista TÊNIS. Tênis Virtual e CurtaTÊNIS em coberturas nacionais e internacionais de grandes eventos.