Do campo ao banco: veja quem pode decidir a Copa América para a Argentina

A Argentina disputa neste sábado, com o Chile, o título da Copa América 2015. A seleção, segunda maior campeã do torneio, com 14 conquistas, chegou até a final após golear o Paraguai na semifinal, com uma atuação iluminada do craque Lionel Messi.

LEIA MAIS:
Teve até “dedada”. Veja por que a Copa América 2015 não será esquecida
Figuerosa, ídolo chileno, afirma sobre Messi: “não tem ninguém imarcável”

Apesar de o time, em sua caminhada até essa final, não ter vencido todos os jogos que fez, ele jogou bem em todos eles e o ponto-chave para isso foi a intensidade e volume de jogo, principalmente pelas pontas, com o rápido Di María e o já citado Messi.

O meia Pastore também foi um grande trunfo de Tata Martino. Posicionado como único meia-armador, conseguiu reproduzir melhor o futebol que o tornou membro do esquadrão do PSG.

A defesa, liderada por Mascherano, é outra força argentina que o Chile, um dos melhores ataques do torneio, vai ter de suar para transpor. Garay e Otamendi, a zaga titular, foi vazada apenas três vezes na competição e todas para o Paraguai (duas na fase de grupos e uma na semifinal).

No banco, três cartas na manga dão à Argentina um ligeiro favoritismo. O meia Lavezzi e os atacantes Higuaín e Tevez, caso sejam acionados, podem ser os pulmões e pernas que decidirão o título, caso os titulares não dêem conta do recado.

Por fim, no gol, o cada vez mais seguro Romero pode segurar as pontas e os pênaltis, se a decisão não se resolver no tempo normal. Contra a Colômbia, nas quartas-de-final, o goleiro já provou que está, ao menos, com sorte – o que, no futebol, é mais do que meio caminho andado.

Foto: Getty Images



Tudo o que preciso é um papel e uma caneta. Apaixonado por esportes desde 1900 e bolinha: de futebol, basquete, tênis, rugby...