Em queda livre, Pezão faz “luta de sobrevivência” no UFC 190

UFC

Desde o épico e sangrento empate com o neozelandês Mark Hunt, em dezembrode 2013, o brasileiro Antônio “Pezão” Silva não sabe o que é terminar um round no UFC. A grande apresentação deu lugar a dois nocautes que se transformaram em vexames. Seja lutando em casa, contra Andrei Arlovski, em Brasília, ou no UFC Fight Night, em Porto Alegre, quando caiu para o veterano Frank Mir, com apenas 1:40 de combate.

LEIA MAIS:
“Aldo correu da luta e não acho que voltará”, provoca McGregor
Chael Sonnen se irrita com rival de McGregor e divulga número de celular no Facebook
Campeão do UFC, Weidman afirma que venceria Pelé no futebol
Werdum ganha moral no UFC e é destaque em lançamento de uniformes; Veja fotos

Todas as derrotas sofridas por Pezão no UFC foram por nocaute. Duas vezes para o norte-americano Cain Velasquez, sendo que na segunda disputou o cinturão dos pesos-pesado e foi massacrado.

Em caso de nova derrota – seria a terceira seguida no Brasil – o atleta deve ser demitido da organização. A chance de recuperação será no UFC 190, no Rio de Janeiro, em 1º de agosto, contra o australiano Soa “Hulk” Palelei. O lutador de 37 entrou para o UFC em 2013 e soma quatro vitórias e um revés.

Foto: Getty Images



Jornalista graduado pelo UniCEUB, em 2010. Trabalha com esportes desde 2010 e atualmente sub-editor do caderno Torcida, do Jornal de Brasília. Passou também pela redação do Jornal Metro. Cobriu jogos do Brasileiro (Séries A a D), Copa do Mundo-2014 e Campeonato Candango, além de eventos como o Novo Basquete Brasil e a Liga Futsal.