Entenda como a FIVB quer diminuir duração dos jogos de vôlei

Crédito da foto: Divulgação/FIVB

A duração das partidas de vôlei sempre foi uma preocupação para os dirigentes da modalidade. O interesse da televisão no esporte está diretamente ligado a esse fator, que já provocou o fim da antiga regra da vantagem, o surgimento dos sets rápidos de 25 pontos e até testes frustrados, como os de 21 pontos na Superliga no Brasil.

LEIA MAIS
Brasil ainda é o maior medalhista do Grand Prix de Vôlei; confira

Mas, segundo o jornal O Globo, a FIVB (Federação Internacional de Voleibol) ainda não está contente com as várias mudanças nas regras que implantou na modalidade nos últimos 20 anos. A ideia é reduzir ainda mais o tempo de jogo nas Olimpíadas do Rio de Janeiro, em 2016.

Como fazer isso? O alvo da vez são as comemorações entre jogadores a cada ponto. Gerente de vôlei do Comitê Organizador do Rio-2016, o ex-jogador Giovane Gávio quer evitar ao máximo os atrasos nas partidas.

“Depois de cada jogo, temos de esvaziar e limpar o ginásio para as partidas seguintes. A cada jogo entra um público novo. E teremos as áreas específicas para esse público esperar. Assim, cada atraso pode sobrecarregar outras áreas”, disse Giovane ao Globo.

Giovane explicou a ideia de tirar esse tempo nas comemorações. Para ele, é preciso haver um tempo limitado entre a confirmação do ponto e o novo saque.

“O ideal é que os jogos durem, em média, 1h45m. E a FIVB está estudando possibilidades para reduzir essa “gordura”. A maneira mais fácil está relacionada ao saque. É preciso criar o hábito entre os jogadores de o sacador ir direto para o serviço logo que a bola cai no chão. Os outros podem comemorar, mas não o sacador. Ou não comemora! Se não houver uma mudança, teremos de criar uma regra exigindo o saque em no máximo 15 segundos”, afirmou.

Relembre como era um jogo de vôlei no tempo da vantagem:

 



Editor do Torcedores.com, está no site desde julho de 2014. Repórter e apresentador da TV Torcedores. Formado pela Universidade Metodista de São Paulo, já passou por UOL, Editora Abril e Rede Record. Participou da cobertura da Copa do Mundo de 2014, de dois Pans, dos Jogos Olímpicos de Londres 2012 e do Rio 2016.