Fãs da Nascar poderão trocar bandeira confederada pela dos EUA em Daytona

A Nascar realiza neste domingo (5) a sua 17ª etapa da atual temporada, quando passará pela segunda vez no ano pelo Daytona International Speedway para a realização da Coke Zero 400, que acontece um dia depois do aniversário da Independência dos Estados Unidos. E os responsáveis pelo circuito mais importante da categoria aproveitarão a oportunidade para pedir aos fãs da categoria trocarem a bandeira confederada pela dos Estados Unidos.

LEIA MAIS:
Kyle Busch vence em Sonoma e se aproxima do Chase da Nascar

Principal símbolo dos estados do sul dos Estados Unidos na Guerra Civil Americana, ocorrida no século XIX, que eram contrários à abolição da escravidão, a bandeira confederada voltou à pauta após o ataque contra a Igreja Metodista Episcopal Africana Emanuel, em Charlestone. O local, considerado um dos mais tradicionais entre a comunidade negra, foi onde Dylann Roof, de 21 anos, matou nove pessoas. O crime foi motivado por ódio racial.

Muitos estados estudam proibir o uso da bandeira, fato já feito pelo governo da Carolina do Sul, estado onde fica Charlestone. Mas não houve tempo para que este veto ocorresse na Flórida, onde está localizado o autódromo de Daytona. Assim, torcedores que comparecerem ao circuito para acompanhar a prova da Nascar Sprint Cup Series poderão trocar qualquer bandeira por uma dos Estados Unidos, usando como mote o feriado de Independência.

“Para nós, estamos celebrando a bandeira americana neste fim de semana. É o aniversário de nosso país. Os fãs que quiserem celebrar, poderão trocar conosco qualquer bandeira por uma de nosso país. Queremos celebrar a bandeira neste fim de semana”, comentou Joie Chitwood, presidente do Daytona International Speedway. Dias antes a Nascar havia emitido uma nota se posicionando a favor da proibição do símbolo dos confederados.

“Como nossa indústria trabalha coletivamente para garantir que todos os fãs sejam bem-vindos nas nossas corridas, a Nascar continuará com a sua política de banir o uso da bandeira confederada em qualquer estabelecimento oficial da Nascar”, dizia a nota. “Reconhecendo que a liberdade de expressão é um direito inerente a todos os cidadãos, nós continuaremos a batalhar por um ambiente inclusivo em todos nossos eventos”.

Foto: divulgação/Twitter



Jornalista com passagens pelas revistas Racing e House Mag.