No Dia do Bombeiro, relembre 7 técnicos que só são “chamados” para apagar incêndio

Celso Roth, técnico do Vasco. Foto: Divulgacao

Nesta quinta-feira, dia 2 de julho, é comemorado no Brasil o Dia do Bombeiro, um dos profissionais mais bem quistos por toda a sociedade. No mundo do futebol idem, já que existem especialistas em apagar incêndio e resgatar equipes e jogadores aos montes.

LEIA MAIS:
Nem derrota desta quarta tira o otimismo de Luxemburgo com o Cruzeiro
Celso Roth diz que mudanças para vitórias seguidas aconteceu fora de campo

Os técnicos são os que mais assumem esse papel – e esse risco -, uma vez que suas decisões determinam (ou não) o destino de clubes, torcidas e o que estiver ao redor. Entretanto, alguns deles, são mais do que outros, pois só são chamados para trabalhar quando a coisa pega fogo e começa a consumir tudo. O Torcedores.com relembra 7 que tiveram de fazer isso muitas vezes na vida. Confira!

1. Celso Roth

Celso Roth deveria colocar os números 193 no final do seu telefone, de tanto que é chamado para tentar consertar erros alheios. O último e atual, foi o Vasco, time que deixou na mão em 2010 para apagar um incêndio no Inter. Só pode ser coisa do destino isso.

2. Joel Santana

Joel Santana é um dos maiores bombeiros do futebol brasileiro, em especial no território carioca. São incontáveis as vezes que ele foi chamado para salvar alguém do rebaixamento naquelas terras. Aliás, até seleções já o requisitaram para isso, vide quando treinou a África do Sul.

3. Ney Franco

Desde o ótimo trabalho que fez nas seleções de base, que Ney Franco não é convocado para nada além do que apagar incêndios. O último foi no Coritiba, clube em que está atualmente. Até quando, porém, ninguém sabe.

4. Vanderlei Luxemburgo

O Luxa não deveria estar nessa lista, mas está. Explicamos. Já faz alguns anos que ele assume trabalhos dos outros, pegando o bonde andando e tendo de apagar incêndios. Se duvidar, pesquisem quando e como ele assumiu o Flamengo, em 2014 e o Cruzeiro agora, nesta temporada.

5. Enderson Moreira

Enderson Moreira, além de ter conseguido tornar o Walter, um jogador pesadão, literalmente, em destaque de um Brasileirão, já apagou o fogo de muito clube por aí. Só falhou no Santos, onde a “maresia” corroeu o “registro” e não saiu água suficiente para trabalhar no mesmo espaço onde mandam os “Meninos da Vila”.

6. Renato Gaúcho

Como treinador, Renato Gaúcho mostra-se, ano após ano, um ótimo bombeiro, que só é contratado nas piores horas possíveis. É outro que, assim como Joel Santana, gosta de ficar ali no Rio de Janeiro. O máximo que ele se permitiu ir foi para Porto Alegre, mas para trabalhar no Grêmio, onde é ídolo. E o chamado durou só até verem que o incêndio estava mais se alastrando, do que sendo apagado.

7. Dorival Júnior

Dorival Júnior é um dos poucos dessa lista que viveu o gosto de ser contratado para algo além de apagar incêndios. No seu auge, lançou no futebol Neymar e PH Ganso de uma vez, ganhando até aura de treinador “top”. Dali em diante, porém, sofreu do mesmo male que Enderson Moreira e viu a maresia corroer sua reputação. Hoje, apaga incêndios no sofá de sua casa, pois está desempregado.

* Curtiu esta matéria? Siga o autor no Twitter: @thijacintho

Foto: Divulgação / C.R. Vasco da Gama



Tudo o que preciso é um papel e uma caneta. Apaixonado por esportes desde 1900 e bolinha: de futebol, basquete, tênis, rugby...