No Palmeiras, Crefisa quer superar Parmalat e não descarta comprar o Allianz Parque

Crefisa
Foto: Divulgação/Palmeiras

Em entrevista ao portal Lance!Net, Leila Pereira, presidente da Crefisa, afirma que a empresa não tem limite de investimentos no clube e almeja transformar o Palmeiras no melhor do Brasil e em um ícone na América do Sul.

LEIA MAIS
Vai renovar? quatro titulares do Palmeiras já podem assinar pré-contrato com outra equipe
Palmeiras observa goleiro de time da Série B, segundo jornalista

Palmeiras e Crefisa possuem contrato assinado até o fim de 2016, período em que a gestão Paulo Nobre se encerra no clube. Contudo, para que os desejos da empresa se realizem no Verdão, a parceria poderá se estender sem prazo definido. “A parceria do Palmeiras com seus atuais patrocinadores não tem limites. Nem de tempo, nem de investimentos, nem de objetivos”, explica a presidente da Crefisa ao portal Lance!Net, Leila Pereira.

O investimento inicial da Crefisa no Palmeiras era de R$ 23 milhões anuais, com o patrocínio máster na camisa. Hoje, entretanto, com o envolvimento da Faculdade das Américas, a contratação de Lucas Barrios e até mesmo a reforma na Academia (melhorias diversas e luzes estão sendo instaladas no campo principal), esse valor já supera a casa dos R$ 60 milhões.

Apesar de investir em jogadores, ao contrário da Parmalat, a presidente da Crefisa deixa claro que os atletas são 100% do Palmeiras. “Nós estamos investindo no clube, não para a empresa. No Barrios, por exemplo, não temos vantagem financeira nenhuma. A vantagem é o Palmeiras ser campeão e vincular nossa marca com isso. Se o Palmeiras vender o Barrios, o combinado é que o que foi gasto seja restituído à Crefisa. Se houver lucro, é do Palmeiras. O que nós queremos ver é o Palmeiras campeão, 17 milhões de torcedores felizes”, disse.

LUCAS BARRIOS

Leila Pereira abriu o jogo em relação à contratação do paraguaio. Explicou que a ideia partiu do presidente do Palmeiras, Paulo Nobre, e abriu os valores da negociação.

“Ele [Paulo Nobre] procurou meu marido: “Olha, Zé Roberto (José Roberto Lamacchia, proprietário da Crefisa), nós precisamos de mais reforços”. O meu marido confia tanto no Paulo que não se falou em nome. Se o Paulo achasse melhor o Messi, nós traríamos o Messi (risos). Estou brincando! O Palmeiras procurou e fechou com o Barrios. Aí nos chamou e falou: “Olha, vai ser o Barrios. Tudo bem?”. Tudo bem! Se não fossem os patrocinadores, o Barrios não viria. O Palmeiras não teria condições financeiras. Nós ajudamos 100%, mas foi sugestão do Paulo Nobre”.

Segundo a empresária, a negociação de Barrios custou R$ 40 milhões por três anos de contrato, já considerando toda a operação (salários, luvas e direitos de imagem). O jogador receberá também bonificações em caso de títulos e artilharia. A patrocinadora não descarta também trazer novos reforços de peso para 2016.

“Sem dúvida. Nós queremos que o Palmeiras seja o melhor time do Brasil. Nós queremos que o Palmeiras seja um ícone da América do Sul. E nós temos condições para isso! Com o Palmeiras sendo grande, a nossa marca aparece no Brasil. É isso que nós queremos”.

PARMALAT

A presidente da Crefisa deixa claro que os modelos de patrocínio são bem distintos, uma vez que os atletas bancados pela empresa são 100% do Palmeiras, ao contrário do que aconteceu na década de 1990 com a empresa italiana.

“O Palmeiras ganhou títulos com a Parmalat, mas de quem eram os jogadores? A Parmalat saiu e carregou todos. A Crefisa e a Faculdade das Américas, não. Nós estamos reformando o CT, que é do Palmeiras. O Barrios? É do Palmeiras. Se ajudarmos a comprar outros jogadores? Serão do Palmeiras. O valor investido pela Crefisa e pela Faculdade das Américas é muito maior do que a Parmalat investia”, revela. “Para o Palmeiras, essa parceria é melhor que a Parmalat”.

ALLIANZ PARQUE

Em meio a todo o imbróglio envolvendo Palmeiras e WTorre, construtora do estádio, a Crefisa diz que, no momento, não pensa em comprar o estádio palmeirense. No momento…

“Nada é impossível. Primeiro queremos arrumar a Academia, depois vamos arrumar a sede, que é ao lado do estádio. Aí, quem sabe? Em vez de Allianz Parque, Crefisa Parque? Arena Crefisa? Por enquanto não temos isso em mente, mas também não tínhamos em mente patrocinar um clube grande. E estamos patrocinando. Não tínhamos em mente ajudar na aquisição de jogador, e trouxemos um jogador valioso, que é o Barrios… Pode ser uma boa ideia. Não descarto”.

RENOVAÇÃO

Apesar de deixar claro que a parceria Palmeiras-Crefisa pode perdurar por muitos anos, Leila afirma que a seriedade da gestão Paulo Nobre é fundamental para o sucesso do negócio.

“O que anima o patrocinador é a seriedade da administração. Ninguém quer jogar dinheiro no lixo, nós queremos saber para onde vai o dinheiro. O objetivo é tornar o Palmeiras forte. Se nós sentirmos que o sucessor do Paulo é tão sério quanto ele o patrocínio vai ser bem duradouro”, disse a presidente da Crefisa.

Foto: Divulgação