Opinião: O Flamengo sou eu

RIO DE JANEIRO, BRAZIL - SEPTEMBER 06:Fans of Flamengo in action during a match between Flamengo and Gremio as part of Brasileirao Series A 2014 at Maracana Stadium on September 06, 2014 in Rio de Janeiro, Brazil. (Photo by Buda Mendes/Getty Images)

Se tem uma coisa que me incomoda na vida, é ver alguém sacanear o Flamengo. Não sou aquele tipo de torcedor zoeiro, que curte o futebol jogado das quartas e domingos e o futebol sacaneado do resto da semana, não. Sou aquele torcedor que fica horas vendo as mesas redondas e odiando o Edmundo só por ele ser o Edmundo, e o Milton neves, por ter a impressão de que ele não gosta do Mengão.

LEIA MAIS:
Cinco coisas que o Flamengo precisa fazer para se manter fora do Z-4

Nascido e criado em uma família de atletas rubro-negros do remo, o Flamengo sempre foi presença no meu desenvolvimento. Fossem os primeiros pares de meia e camisas autografadas, fossem as discussões acaloradas entre membros da família que nem pareciam torcer pro mesmo time. Os assuntos variavam, de políticas internas do Flamengo até esquemas táticos e contratações, todos falavam, todos amavam, mas acima de tudo todos tinhamos o Mengão como um membro da família.

Era sempre o Flamengo quem amarrava e aquecia os laços de sangue que juntavam pessoas que muitas vezes não tinham nada em comum. Como um tio engraçado e cheio de defeitos que sempre chamava todos para sua casa. E como um parente querido, eu sempre tive o Flamengo por perto. Vibrei com cada um dos mais de 30 títulos cariocas, mesmo no fundo sabendo que o Campeonato Brasileiro estava ali e que nosso time não era nem de longe competitivo. Acreditei cada vez que trouxemos o artilheiro do Brasileiro anterior para o Mengão, uma mania rubro-negra durante os anos 2000, e NUNCA tive medo de o Flamengo cair.

No meio das milhares de incertezas da minha vida, trabalho, política, amigos, dinheiro, fui crescendo e percebendo que o Flamengo nunca foi uma delas. Talvez por isso eu tenha sido décimo segundo jogador do Flamengo a minha vida inteira, pelo simples fato de o rubro-negro ter sido décimo segundo jogador da minha vida também.

E é por isso que eu não gosto que façam piada com o Flamengo. Não é só um time, é minha família, é minha história, é minha identidade, é minha certeza.

Sou eu.

Crédito da foto: Getty Images



Publicitário por ofício, Flamenguista por vocação, Lutador por teimosia, escritor por falta de vergonha na cara, e caneleiro pós graduado em grosseria.