Opinião: Vagner Love, enfim, começa a se encaixar no Corinthians, mas ainda tem muito a evoluir

Foto: Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians

Vagner Love iniciou muito mal a sua passagem pelo Corinthians em fevereiro passado. Voltou da China acima do peso ideal. Não conseguiu engrenar no Estadual, contra equipes frágeis tecnicamente. Fez apenas dois gols. No final de maio, depois da primeira rodada do Campeonato Brasileiro, a comissão técnica o afastou do elenco principal e programou treinamentos para que o atacante readquirisse a melhor forma física.

LEIA MAIS:
Ponte Preta aciona o Corinthians por cutucada em telão: “atitude que incita a violência”
Fim da novela: Rildo, ex-Ponte, assina com o Corinthians até o fim de 2016

Visivelmente mais magro, Love retornou na derrota para o Grêmio (3 a 1), na Arena. Entrou no decorrer do segundo tempo, mas errou quase tudo do que tentou e recebeu fortes críticas da torcida corintiana.

A partida contra o Inter há mais de duas semanas pode ter sido o divisor de águas do novo camisa 9 do Corinthians (ele herdou o número de Guerrero). Na volta do intervalo, Love substituiu o volante Petros e comandou a virada sobre os colorados. Deu maior movimentação ao ataque, sofreu a falta que originou o gol de empate e deixou a sua marca. Assumiu a titularidade contra o Santos, mas foi mal. Depois, vieram exibições animadoras contra o Figueirense (2 a 1) e Ponte Preta (2 a 0), ambas na Arena, com um gol em cada partida.

Contra a Ponte Preta, Love fez a sua melhor exibição com a camisa corintiana. Mostrou boa movimentação, saiu da área para ajudar a marcação, conseguiu prender melhor a bola no ataque e trocou mais passes com os companheiros. Segundo o Footstats, foram 19 passes certos, o seu melhor índice no Campeonato Brasileiro. Outra estatística que chamou a atenção foi o número de desarmes (4), o que resultou em seu melhor desempenho neste quesito.

Obviamente, Love ainda tem muito a evoluir. Precisa arriscar mais chutes a gol e ter uma melhor sequência de partidas. Não é o substituto ideal de Guerrero, mas o Corinthians pode ser virar bem com ele. Basta manter a regularidade.

Foto: Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians

* Curtiu esta matéria? Siga o autor no Twitter: @rafaelalaby



Rafael Alaby é jornalista diplomado pela FIAM (Faculdades Integradas Alcântara Machado), com passagens pela Chefia de Reportagem de Esportes, da TV Bandeirantes, em São Paulo e site KiGOL. Pós-graduado em Jornalismo Esportivo e Negócios do Esporte (FMU)