Romário: o gênio que recolocou os brasileiros no Barcelona

baixinhos
Getty Images

Romário de Souza Farias é, sem dúvidas, o maior centroavante que o futebol já viu atuar e foi no Barcelona que o Baixinho viveu o seu melhor momento, mas por pouco tempo. Em 83 partidas, foram 53 gols marcados entre a temporada 1993/1994 e metade da 1994/1995, quando interrompeu seu ciclo no clube catalão e foi para o Flamengo.

LEIA MAIS:
Romário pode investigar Caso Héverton em CPI

Treinado por Cruyff, um dos maiores jogadores da história do Barcelona e o maior nome do futebol holândes, Romário ganhou o apelido de o Rei da Pequena Área, além de divertidas histórias que desafiam a lógica atual do futebol profissional:

“Uma vez, ele veio me perguntar se poderia faltar a dois dias de treinos para voltar ao Brasil. Deveria ser carnaval no Rio de Janeiro. Eu respondi: ‘se você fizer dois gols amanhã, te dou dois dias a mais de descanso que o restante da equipe’. No dia seguinte, ele marcou seu segundo gol com 20 minutos de jogo e imediatamente fez um gesto para mim pedindo para sair”, relatou Cruyff ao suplemento semanal do “L’Équipe” em certa oportunidade.

Com a camisa blaugrana, Romário não conseguiu conquistar a Liga dos Campeões, sendo derrotado, ao lado de Stoichkov, por 4 a 0 diante do Milan. Contudo, venceu um Campeonato Espanhol já dado como perdido em uma arrancada sensacional após uma goelada magistral por 5 a 0 sobre o Real Madrid.

Não obstante, o grande feito de Romário foi ter recolocado os brasileiros na rota de contratação do Barça. Sem a sua grande passagem, Ronaldo, Rivaldo e Ronaldinho Gaúcho poderiam ter tido uma história diferente, talvez igualmente brilhante, mas sem a chancela do Baixinho.

Foto: Getty Images