Viva Chile: Decisão tem roteiro perfeito e consagra equipe chilena

SANTIAGO, CHILE - JULY 04: Alexis Sanchez of Chile lifts the trophy after winning the 2015 Copa America Chile Final match between Chile and Argentina at Nacional Stadium on July 04, 2015 in Santiago, Chile. (Photo by Hector Vivas/LatinContent/Getty Images)

Durante toda a semana, muito se discutiu sobre o comportamento da seleção chilena contra a seleção argentina na decisão da Copa América. Os torcedores e a imprensa (no próprio Chile) deram muitos obstáculos para confirmar o favoritismo argentino, citando até um “medo dos jogadores da seleção do Chile”.

Exagero puro, afinal o Chile jogará em casa, com uma massa apoiando freneticamente em Santiago. Mais de 40 mil vozes pulsando juntas pela vitória, quase jogando junto da seleção. E assim estava formado o clima para o jogo.

A expectativa de um jogo muito ofensivo, não se confirmou, para a decepção do telespectador que estava pronto para assistir um jogo em alta voltagem. Houveram chances perigosas para ambos os lados, mas não tantas, pois a estratégia de ambos era “não levar gol”. Nos dois tempos regulamentares foi assim. Mas, nos últimos minutos do 2º tempo, as equipes se “soltaram”, e queriam terminar com o jogo. E assim foi, no último lance do jogo, quando a tensão chegou ao auge e Messi armou um contra-ataque rápido, passou para Lavezzi e… Higuain falhou na finalização fatal. Silêncio no Centenário e prorrogação do Centenário.

Nos 30 minutos extras, muitos chutes que não ameaçaram, passaram longe, mas no final da prorrogação (de novo…), o Chile, que parecia estar cansado, quase matou o jogo num erro de Mascherano. Sanchéz ficou cara a cara com o goleiro Romero, mas chutou longe. E assim, fomos para os pênaltis.

VEJA TAMBÉM
Derrota na final da Copa América faz Argentina virar motivo de piada

Durante o período de descanso, a torcida chilena resolveu cantar o hino acapela, puxando a voz no fundo da alma. Parecia que algo bom estava por vir, o clima estava preparado…

Nas cobranças de pênalti, a tensão prevaleceu, como não poderia ser diferente numa decisão. Afinal, o Chile nunca tinha ganho uma Copa América antes, e tinha esta chance jogando em casa. Nada mais especial. Logo na primeira série de cobranças, Messi foi para a cobrança, mas foi seguro. 1-1. Depois, Vidal fez 2-1 para o Chile, e então foi aí que Higuain partiu para empatar e… fez um Field Goal, confundiu o futebol com o futebol americano e contribuiu mais ainda, contra… O famoso “vilão”.

Depois disso, Aranguiz fez 3-1, Bravo defendeu a cobrança fraca de Banega, e aí foi tempo para Sanchez fazer o Centenário explodir de alegria para comemorar o primeiro título chileno da competição. 4-1 nos pênaltis.

Em outro artigo, vamos tratar da Argentina, que vive um dilema. Como ter uma boa seleção e ainda estar na marca de 22 anos sem títulos internacionais? Mas neste artigo, vamos celebrar o roteiro perfeito da decisão da Copa América. O Chile mereceu muito este título, pelo jogo, pela vontade de seus jogadores, pelo talento, empenho e principalmente pela sua torcida. Ambiente fantástico em todos os jogos da seleção. Claro, não foi um excelente jogo, mas agradou na parte técnica. E se faltou emoção nos tempos regulamentares, sobrou na parte final do jogo. Parabéns aos merecedores do título!

E haja festa em Santiago!



Vocação jornalística e esportiva desde a infância. Colaborador desde 2015 com matérias/artigos, principalmente nas coberturas do automobilismo, futebol americano e esportes eletrônicos.