Opinião: Jogadores do São Paulo deram recado a diretoria e ao treinador

Érico Leonan / SãoPaulofc.net

A notícia que mexeu com os torcedores são-paulinos nessa semana foi a possível contratação do ex-meia do Palmeiras, Valdívia. Segundo o vice-presidente do São Paulo, Ataíde Gil Guerreiro, a negociação durou cerca de 10 dias. A partir do anúncio pelo interesse do jogador, o que se viu foi pressão por todo lado para que a ideia não prosperasse. E pode ser por aí que a diretoria e o técnico colombiano Juan Carlos Osório conseguiram perder o grupo.

LEIA MAIS:
#FechadocomOsorio: Técnico assume culpa por derrota e são-paulinos apoiam o colombiano

O assunto Valdívia ocorreu no momento em que o time do São Paulo se encaixava na filosofia do treinador, a conversa franca com os jogadores sobre esquema tático e as melhores posições para jogar eram elogiadas por todos nas entrevistas. E no campo o time mostrava consistência. Mais o técnico Juan Carlos Osorio também deu o aval para a contratação e fez altos elogios sobre o chileno.

“Falei com ele (Valdívia). Falei para ele que eu creio que ele é muito bom jogador. E pessoalmente, acho que Ganso e ele poderiam jogar juntos e competir por essa vaga. Para ter uma competência interna mais saudável, benéfica para todo o grupo. É uma pena, mas é uma decisão da diretoria”, declarou Osório.

Faltou alguém alertar o treinador que no Brasil as coisas são diferentes. A forte rivalidade que se criou quando Valdívia ainda jogava no Palmeiras e todas as provações durante esse tempo entre os clubes deixaram mágoas, mas se nem a diretoria teve a sensatez com o caso, os dois erraram.

E no jogo contra o Goiás no Morumbi, neste sábado, o time errou muito defensivamente e teve pouca criatividade no ataque, sendo derrotado por 3 x 0. Um jogo para ser bem observado e quem sabe entender bem o recado dado pelos jogadores a diretoria e ao treinador.

Crédito da foto: Érico Leonan / SãoPaulofc.net



Apaixonado por futebol. Fanático pelo meu clube de coração, mas mantenho uma visão critica e imparcial de todos os clubes, sem misturar paixão e razão.