Mesmo com o tênis no sangue, Ricardo Hocevar não alcançou o sucesso no tênis profissional

Reprodução Facebook

Oriundo de família de tenistas, o brasileiro Ricardo Hocevar não obteve sucesso no tênis profissional.

LEIA MAIS:
Primeiro dia de aula das filhas tirou Federer de Montreal
Brasil vai enfrentar a Croácia em Florianópolis pela Copa Davis
O abismo entre o tênis feminino e masculino: o machismo e a audiência

Ricardo Hocevar, 30 anos, sempre teve o tênis no sangue. Sobrinho dos ex-tenistas Marcos Hocevar, um dos grandes tenistas do tênis brasileiro que chegou a ser número 30 do mundo, e Alexandre Hocevar, e filho de Jorge Hocevar, ex-professor de tênis, o paulistano iniciou cedo no esporte e logo partiu dos torneios da cidade de São Paulo para o circuito juvenil brasileiro.

Mas no tênis profissional, Hocevar não vingou, tendo como a 149ª colocação como a mais alta no ranking de melhores do mundo, em 2009, mesmo ano em que recebeu carta-convite para participar de seu primeiro torneio de ATP.

Nas duplas, o desempenho de Hocevar é um pouco melhor, ao menos no ranking, 148º do mundo em 2009.

Atualmente número 494 do mundo, Ricardo Hocevar fez sua carreira nos torneios de Future e Challengers, tanto em simples quanto em duplas. Entre 2006 e 2015, ele conquistou mais de 15 títulos nessas categorias.

Entre os maiores torneios disputados pelo brasileiro, está o Australian Open de 2010, o único Grand Slam disputado por ele.

 

CRÉDITO DA FOTO: Reprodução Facebook



Jornalista | Escritora Há 10 anos dedicando-se ao meio esportivo, com enfoque em mídias sociais e produções audiovisuais. Autora do site Guia dos Esportes - Conhecendo o mundo através do esporte, especialista de conteúdo da Seconds Entretenimento Esportivo, colunista dos sites Autoracing (F1), repórter e colunista do Portal Rackets (tênis).