Opinião: Osorio precisa ser menos ousado e mais conservador

Rubens Chiri saopaulofcnet

Quando o técnico Juan Carlos Osorio desembarcou no Brasil, muita gente ficou impressionada com seu estilo de trabalho. O treinador trouxe na bagagem conceitos aplicados ao futebol europeu, como o rodízio  e a polivalência de funções para os jogadores. Além de um estilo próprio, como tratar os atletas sempre pelo primeiro nome e os famosos bilhetinhos escritos ora em azul, ora em vermelho.

Quase três meses depois da chegada de Osorio, o São Paulo é um time instável. Capaz de fazer boas partidas contra Corinthians e Figueirense e, na sequência, dar dois vexames seguidos no Morumbi para Goiás e Ceará, equipes que lutam contra o rebaixamento nas Séries A e B.

Com Osorio no comando, o torcedor são-paulino não sabe qual time vai iniciar o jogo, nem em que posições os jogadores vão atuar. O treinador é ousado o suficiente para trocar sete jogadores de um jogo para o outro, de escalar Breno como volante após quatro anos sem jogar futebol e até de transformar o lateral Carlinhos em ponta-direita. Em um país onde muito se discute a mesmice dos técnicos brasileiros,  ter um profissional com as ideias e coragem de Osorio é louvável.

Entretanto, no São Paulo,o colombiano deveria ir com mais calma. Como bem a avaliou o comentarista Paulo Calçade, durante a transmissão da ESPN Brasil do jogo São Paulo x Ceará, jogador que atua no Brasil está acostumado com sequência de jogos e repetição de escalação para adquirir ritmo de jogo e entrosamento, e nem todos conseguem atuar em várias posições diferentes.

Como estudioso de futebol e técnico competente que já mostrou ser, Juan Carlos Osorio deveria adotar medidas um pouco mais conservadoras e ir aos poucos colocando em prática seus métodos de trabalho. Um esquema de jogo que se repita, uma boa sequência para os jogadores no time titular, mesmo fazendo o rodízio, e procurar aproveitar cada atleta na sua posição de origem seriam medidas que poderiam trazer um pouco mais de estabilidade ao Tricolor do Morumbi. Em um futebol brasileiro onde o que interessa é o resultado, uma eventual eliminação para o Ceará na Copa do Brasil e a instabilidade no Brasileirão podem custar o emprego de Osório. O que seria uma pena, já que ele tem muito a acrescentar ao universo de ideias e conceitos de jogo do futebol.

Foto: Rubens Chiri/saopaulofc.net



Jornalista formado pela Universidade do Sagrado Coração (USC) de Bauru-SP. Meu esporte preferido é o futebol, mas também gosto de outros esportes olímpicos. Torcedor do Palmeiras.