Opinião: Qual seria a saída para o Atlético-MG contra o Grêmio?

Crédito da foto: Bruno Cantini/CAM

Na última quinta-feira, em pleno Mineirão, o Campeonato Brasileiro nos proporcionou mais um jogo emocionante e muito inteligente taticamente. O Grêmio saiu vitorioso, pois soube ter uma leitura correta sobre o Atlético-MG, leitura essa que todos os times adversários já perceberam, e está na hora de mudar.

LEIA MAIS:
Gol do Grêmio contra o Atlético-MG é destaque na Europa: “Hino ao futebol de transição”

Os desfalques de Luan e Giovanni Augusto nos custaram a derrota. A imagem abaixo demonstra a excelente leitura tática do Grêmio.

Tática Atlético-MG

Os dois volantes do Grêmio, que possuem uma excelente saída de bola, marcaram em cima o lento Guilherme, pois a facilidade de roubar a bola sem falta era enorme. A ideia era que, com a bola nos pés, os volantes passarem para o Douglas ou Giuliano, e estes enfiarem nas costas dos laterais adversários para Pedro Rocha ou Luan.

Há alguns anos o Atlético-MG sofre com as bolas nas costas de Marcos Rocha, e neste jogo sofremos mais uma vez.
Pela falta do Giovanni Augusto, o Galo perdeu velocidade, pois é um jogador de grande raciocínio e faz o time jogar com passes rápidos, dificultando a marcação adversaria. Este mesmo jogador ajuda na marcação, diferente do Guilherme, que possui um excelente raciocino e passe, mas é lento.

Outro desfalque fatal foi Luan, que, além de ser muito veloz e ter um excelente cruzamento, também recompõe a defesa, ajudando nas costas de Marcos Rocha.

Devido aos desfalques, o Atlético-MG poderia substituir o Guilherme pelo lateral Carlos Cesar, pois estava muito mal no jogo, perdendo a nossa posse de bola e facilitando o contra-ataque do Grêmio. A entrada do lateral iria recompor o sistema defensivo, e assim evitar as bolas nas costas.

O nosso excelente Marcos Rocha poderia ser o ponta direita, pois como qualquer fã de futebol já sabe, ele é muito veloz com a bola e possui raciocínio muito rápido, fazendo dele uns melhores latereis ofensivos, mas que deixa o Galo muito exposto defensivamente.

Neste jogo, que era contra um time veloz, seria ideal colocá-lo como ponta direita, e assim deixá-lo livre para atacar e ajudar na defesa, como Luan faz. Outra melhora seria com o Dátolo, que ficaria no lugar do Guilherme. O time ganharia com velocidade e ritmo de jogo.

Com o time completo, talvez o Marcos Rocha não seria o ponta ideal, mas pelos desfalques seria uma excelente alternativa. Não entendo o porque o Levir nunca experimentou. É bem comum acontecer isto na Europa, exemplo disso são dos ex-jogadores do Galo, Mancini e Cicinho.

Derick Pessoa
Fã de Futebol desde sempre, apaixonado pelo Galo e por Football Manager.

Crédito da foto: Bruno Cantini/CAM



Apaixonado por Futebol, principalmente pelo Galo