Organizada do Cruzeiro faz cobranças a presidente por corte de privilégios

Foto: Washington Alves/Light Press

Um das principais torcidas organizadas do Cruzeiro, a Máfia Azul, não está nada satisfeita com o corte de privilégios que o presidente do clube, Gilvan Pinho de Tavares fez recentemente. Em um áudio que vazou em grupos do Whatsapp nesta terça-feira (18), é possível ouvir uma conversa entre o mandatário e “Quik”, um dos líderes da torcida organizada.

LEIA MAIS:
Copa do Brasil Oitavas – Palmeiras x Cruzeiro: saiba o que está em jogo

Na gravação, Quik se mostra preocupado com a relação entre a facção e a diretoria do clube, principalmente no que desrespeito ao fornecimento de ingressos, que segundo ele, era fornecido pelo ex-gerente de futebol Valdir Barbosa, que deixou o Cruzeiro na última semana para trabalhar no Coritiba.

“Sobre ingressos de São Paulo, não tem condições? (…) Com quem pegamos agora os ingressos?”, questiona o torcedor. Gilvan responde expõe a situação financeira do clube, mas afirma que a organizada terá ingressos para o jogo contra o Palmeiras, nesta quarta-feira, pela Copa do Brasil.

“Nós estamos com situação financeira difícil. Vou tirar dinheiro do Cruzeiro para dar para torcedor? Nós vamos arrumar ingressos para vocês. Vocês vão pegar os ingressos lá em São Paulo. A mesma coisa que o Valdir fazia”.

Gilvan ainda reclamou sobre os protestos contra a diretoria do clube.”Como que você vai conversar comigo se a torcida está só me ofendendo? Eu vou receber esses aí que estão me mandando tomar no c…? Estou fazendo o que posso fazer. Vou falar com vocês, que vocês não entendem. O Cruzeiro fez um sacrifício financeiro para ganhar dois títulos. Aí nós ficamos completamente endividados. Estou pagando dívida. Como que você faz? Torcida quer que compre jogador e ganhe título. Ninguém ganha título todos os anos”.

Quik pede uma reunião com a diretoria para resolver. “Nós vamos sentar a diretoria e conversar com o senhor, ver o que é melhor para a torcida e para o Cruzeiro. Não queremos bater de frente com o Cruzeiro”.

Confira um trecho na conversa na íntegra:

Quik:  “Isso tudo (benefícios para a torcida organizada) foi retirado e não foi conversado. Reúne com a diretoria da Máfia Azul e vamos conversar”
Gilvan: “Vocês têm de ajudar o clube. Não é o clube que tem de ajudar vocês”
Quik: “Temos 600 sócios. Isso não é ajudar? Quanto a gente dá para o clube?”
Gilvan: “Vocês têm 600 sócios porque eu não dei ingressos”
Quik: “Onde o clube está, a Máfia Azul está. A gente vai ao jogo na quarta-feira. A gente vai ao jogo no domingo. Entendeu, Gilvan? Nós temos de rever isso”
Gilvan: “Não vou dar ingresso, não vou dar dinheiro, nem vou pagar sala”
Quik: “Você não pode conversar, não?”
Gilvan: “Posso”
Quik: “Por que não podemos marcar uma reunião?”
Gilvan: “Depois você liga para o Fernando Souza e ele marca com vocês”

Ouça:

Foto: Divulgação/Cruzeiro