Relembre 11 fatos da primeira metade do Campeonato Brasileiro

Dezenove rodadas se passaram e metade do Brasileirão se foi… O fim do primeiro turno do Campeonato Brasileiro representa o momento ideal para se fazer uma reflexão e pensar no que aconteceu com seu time nesta 1ª metade de campeonato, e talvez fazer projeções.

Mas este artigo aqui não irá tratar de um clube apenas, e sim da temporada em geral. Neste artigo, analisaremos os fatos mais notáveis da primeira metade do Brasileirão.

1. Os candidatos ao título
Há muitos times sim na briga pelo título do Brasileirão, e a cada rodada a situação pode mudar frequentemente. Temos Grêmio, Palmeiras, Fluminense, Sport, Corinthians o Atlético/MG na faixa dos “possíveis” candidatos. Dificilmente, o campeão não sairá destes times citados.

2. Regularidade
Dos times candidatos ao título, dois deles se destacam por conta da imensa regularidade que apresentam em suas campanhas. Enquanto outros oscilam entre ótimos e péssimos jogos, Corinthians e Atlético/MG se mantém na chamada “regularidade”, apresentando futebol mediano em alguns casos, mas o suficiente para arrancar importantes pontos. São os mais prováveis para vencer o Brasileirão.

3. Vasco com “passaporte” para a Série B
Talvez se salve, mas o Vasco se afundou tanto que muitos dizem impossível fugir do rebaixamento. Hoje são necessários 7 pontos para sair da zona de rebaixamento, pelo menos três vitórias seguidas e muita sorte. O Vasco fechou o primeiro turno com 13 pontos, mas são necessários mais que o dobro para que o time escape. E com o time que não tem, é muito improvável que siga na Série A (Não impossível).

4. Estendida “zona da confusão”
Sempre aquecida, mas neste campeonato, a “segunda página” é realmente uma verdadeira “zona da confusão”. Apenas 4 são rebaixados, mas quem está em 11º (Internacional) tem apenas 6 pontos atrás do 17º (Goiás), o primeiro na zona do rebaixamento. O problema é que todos os times desta faixa são instáveis, não tem confiança nem do torcedor. Impossível cravar quem vai cair, a concorrência nesta temporada está verdadeiramente brigada. Que “confusão”.

5. A empolgação do público nos estádios
Notável a melhora do público que tem frequentado os jogos nesta edição do Brasileirão. No total, a média de público pagante chega aos 18 mil, sendo que a média de público presente passa dos 20 mil. Ainda não é o ideal, mas certamente a crescente empolga o público telespectador do nosso campeonato local. A média é alta por causa dos clássicos, dos grandes jogos e das arenas, principalmente. Mas as torcidas de Palmeiras, Corinthians e Atlético/MG (principalmente), ajudam bastante com os números.

6. Enquanto isso no Serra Dourada…
Nem todos os torcedores estão empolgados em ir aos estádios, infelizmente. A grande exceção é o Goiás, onde os jogos sempre estão com o estádio vazio. Quando algum time grande joga no estádio, faz o Serra Dourada de sua “casa” e o público passa dos mil presentes. As vezes parece que o Goiás não tem torcida, mesmo… Mas, de certo mesmo, é que o estádio neste campeonato é um campo neutro.

7. Melhora no futebol jogado!
Uma notícia boa, não é apenas o público geral que está melhor. O futebol apresentado neste campeonato está bem melhor tecnicamente que o de 2014, por exemplo… Os técnicos procuraram fugir da mesmice e estão entregando bons jogos no campeonato, com mais ofensividade e uma tática bem estruturada. Claro, ainda faltam os jogadores que acertem sempre o posicionamento e a finalização (principalmente), mas jogos interessantes tem sido entregues até aqui. Gol do Brasil!

8. Mas a arbitragem…
É gente… Nem tudo está melhorando. A arbitragem continua roubando o destaque de muitos bons jogos por causa de suas “trapalhadas”. Nesse BR15, eles ganharam uma maior autoridade para dar cartões a quem atrapalhar o andamento do jogo, ou seja, má conduta em campo, exagero de reclamações e de faltas. Foi bem pensado para acabar com a enorme paralisação dos jogos com os jogadores em cima dos árbitros. O problema está no abuso desta autoridade, onde o jogador que “espirrar” leva cartão amarelo e “tossir” leva cartão vermelho. Não está podendo ter nem uma conversa com o árbitro que o cartão é levantado. Exagero… Para piorar, os erros da arbitragem continuam a todo vapor. Toda rodada temos o tal do “lance polêmico”, onde se discute muito e não se acrescenta nada. Pior, o exagero dos pênaltis que marcou o BR14 está retornando, com a tal “recomendação” de marcar qualquer toque de bola no braço/mão de um jogador dentro da grande área, totalmente involuntário ou não. Difícil…

9. Troca-Troca Técnica
No Brasil se demite muito técnico de forma precoce, todos sabemos disso. Mas o 1º turno também ficou marcado pelo grande exagero e frequência nas trocas. A cada rodada, menos um técnico em algum dos 20 clubes. Alguns clubes trocaram de técnico mais de uma vez. Era mais técnico caindo que chuva em muitos lugares do nosso país. Foram 14 trocas em 19 rodadas, no geral. Só o Joinville contribuiu 2 vezes nesta lista, com Hemerson Maria e Adilson Batista sendo dispensados. Calma pessoal…

10. Festival de cartões
Foi uma festa de advertências distribuídas neste 1º turno do Brasileirão. Com o aumento da autoridade da arbitragem, os times sofreram com a frequência de punições. Só o Avaí levou 64 cartões amarelos em 19 jogos. Vasco, com 62, e Coritiba, com 61, completam o “pódio”. Em cartões vermelhos, o Fluminense é o recordista com 7 expulsões. O Vasco (6) e o Atlético/PR (5) completam a lista dos três primeiros. Entre os jogadores, os que levaram dois cartões vermelhos foram Wellington (FLU), Alan e Walter (A/PR)

11. Reis da Artilharia
Mais uma estatística marcante neste campeonato, que tem sido ditado pelo futebol ofensivo, fato que tem empolgado o torcedor em todo o Brasil. Os dois times que mais marcaram gols foram o Atlético/MG (32), o Palmeiras (32) e o Sport (31). Entre os jogadores, o artilheiro é Ricardo Oliveira (10). Alexandre Pato (8) e Lucas Pratto (7) completam a lista.

Estes forma os 11 principais fatos que ditaram o ritmo da primeira metade do Brasileirão 2015, um campeonato agradável de se assistir.

  • Estatísticas adicionais (Líderes)
    Passes Certos: Rafael Carioca (Atlético/MG) 1035
    Passes Errados: Dener Assunção (Chapecoense) 130
    Finalizações Certas: Lucas Pratto (Atlético/MG) 32
    Finalizações Erradas: Ricardo Oliveira (Santos) 29
    Desarmes Certos: Otávio (Atlético/PR) 74
    Desarmes Errados: Leandro Silva (Figueirense) e Anselmo Moraes (Joinville) 17
    Cruzamentos Certos: Egídio (Palmeiras) 25
    Cruzamentos Errados: Egídio (Palmeiras) 99
    Dribles Certos: Luan (Grêmio) 19
    Dribles Errados: Alexandre Pato (São Paulo) 10
    Faltas Cometidas: Fernando Bob (Figueirense) 52
    Faltas Recebidas: Luan (Grêmio) 63
    Rebatidas: Geromel (Grêmio) 226
    Pênaltis Cometidos: Kadu (Atlético/PR) 2
    Pênaltis Recebidos: Geuvânio (Santos) 2
    Defesas: Marcelo Lomba (Ponte Preta) 55


Vocação jornalística e esportiva desde a infância. Colaborador desde 2015 com matérias/artigos, principalmente nas coberturas do automobilismo, futebol americano e esportes eletrônicos.