Há 50 anos o Palmeiras representava a Seleção Brasileira

O jogo aconteceu no ano de 1965 e marcou a inauguração do estádio Magalhães Pinto, o Mineirão, e, também, a única vez na história em que um estrangeiro comandou a Seleção Brasileira de Futebol.

Para consolidar a inauguração do Mineirão, a Seleção Uruguaia foi convidada para um amistoso comemorativo no dia 7 de setembro daquele ano. A partida terminou com uma bela vitória do Palmeiras-Brasil por 3 a 0 e ficou marcada na história do futebol pelo fato de que a Seleção Brasileira foi representada inteiramente pelos jogadores e pela comissão técnica do alviverde na época. Todos os atletas que vestiram a camisa canarinha defendiam o Palestra Itália. Do goleiro ao roupeiro, do ponta-esquerda ao massagista.

A história futebolística registra outro acontecimento: foi a única vez em que um ‘’hermano’’ comandou a seleção de nosso país até hoje. Na época, o clube paulista vivia a ‘’Primeira Academia’’ e era um dos melhores times do País ao lado do Santos F.C. de Pelé. Sob o comando de técnico argentino Filpo Nuñes, o Palmeiras tinha os verdadeiros ‘’donos da bola’’, como Ademir da Guia, Dudu, Djalma Dias, Djalma Santos, Julinho Botelho, Valdir de Moraes e Tupãzinho.

De modo geral, a partida foi bem disputada. A Seleção alviverde conseguiu se sobressair, principalmente, no segundo tempo da partida. Sob um gigantesco público de 80 mil pessoas, os gols foram marcados por: Rinaldo (pênalti), Tupãzinho e Germano.

Confira o vídeo que contém falas de Dudu e Valdir de Moraes sobre a importância de representar o País e o clube ao mesmo tempo:

 

 

FICHA TÉCNICA

BRASIL (PALMEIRAS) 3 x 0 URUGUAI

Estádio: Mineirão, em Belo Horizonte (MG)

Data: 7/9/1965

Árbitro da partida: Eunápio de Queiroz

Público/Renda: 80.000 / Renda: Cr$ 49.163.125,00

Gols: Rinaldo 27’/1°T; Tupãzinho, 35’/1°T e Germano 29’/2°T.
BRASIL
Valdir de Moraes (Picasso), Djalma Dias, Djalma Santos, Valdemar Carabina (Procópio), Ferrari, Dudu (Zequinha) e Ademir da Guia, Julinho Botelho (Germano), Servílio, Tupãzinho (Ademar Pantera) e Rinaldo (Dario).

URUGUAI
Taibo (Fogni), Cincunegui (Brito), Manicera, Caetano, Nuñes (Lorda), Varela; Franco, Silva (Vingile), Salva, Dorksas e Espárrago (Morales).

Foto: Reprodução



Caique Cobra é um jovem recém-formado em jornalismo pela FIAM FAAM que almeja atuar em uma grande empresa voltada ao mundo esportivo. Ele não esconde sua paixão em produzir conteúdo, principalmente, em seu blog pessoal. Seus textos são embasados por dentro de: análises, críticas e opiniões com um olhar meramente desmistificado.