Opinião: Gabriel faz falta, mas o problema do Palmeiras pode ser outro

Gabriel
César Greco/Ag. Palmeiras

Desde a partida contra o Atlético Paranaense, quando o Gabriel se contundiu, o Palmeiras fez dez jogo e tomou 18 gol, uma média de 2.1 por jogo.

LEIA MAIS:
Opinião: Palmeiras faz bem em não comprar Rafael Marques e muito mal em ‘dispensá-lo’

No hino do Palmeiras o trecho cantado em plenos pulmões é “Defesa que ninguém passa”, mas dentro de campo isso não tem acontecido. Tanto atletas, como comissão técnica percebem que é por causa dessa instabilidade defensiva que o clube não está brigando pelo título. Alguns associam a falta de Gabriel como o principal problemas, mas a analise pode ser outra.

Quando Gabriel se contundiu, na 16ª rodada, contra o Atlético Paranaense, o Palmeiras colecionou entre Copa do Brasil e Campeonato Brasileiro, 10 jogos. Foram quatro vitórias, cinco derrotas e um empate, fez 18 gols, mas tomou os mesmo 18 gols e isso é que tem feito a diferença.

Até o fatídico jogo contra o Atlético PR, o Alviverde de Palestra Itália tinha uma das defesas menos vazadas do campeonato nacional. Muitos falam que é a falta do Gabriel fez a defesa entrar em pane. De fato pode ser, mas o problema pode ser outro.

Nessas dez partidas o sistema defensivo foi alterado em quase todos os jogos. Marcelo Oliveira testou a zaga com diversas formações, Victor Hugo jogou com todos os zagueiros do elenco. Nas laterais, Lucas e João Pedro revezaram e até Nathan( por falta de opção) foi deslocado pra lá. Zé Roberto voltou pra lateral esquerda, depois que Egídio caiu muito de produção. Muitas mudanças mais nenhuma certeza e isso tem dado dor de cabeça não só a torcida, mas também a comissão técnica.

Na cabeça de área, Marcelo encontrou um substituto a Gabriel. Amaral entrou muito e contra o Corinthians fez suas melhores partidas. Junto com Arouca e Robinho o meio campo voltou a ter uma consistência, mas a zaga é que não se encontrou.

Contra o Inter, o técnico palmeirense terá que mudar mais uma vez a zaga alviverde. Lucas suspenso, dará lugar a João Pedro. No meio, Robinho suspenso e Arouca poupado darão lugares a Thiago Santos e Zé Roberto, descolado para o meio serão os substitutos. Egídio será o lateral esquerdo, neste confronto que pode colocar o Palmeiras mais um vez no G-4 do Campeonato Brasileiro.

Foto: César Greco/Ag. Palmeiras