CINCO brigas da “Gestão Aidar” que mancharam os bastidores do São Paulo

Crédito: Rubens Chiri / saopaulofc.net

A segunda passagem de Carlos Miguel Aidar não está sendo das melhores para o São Paulo. Desde que chegou no Tricolor, o cartola tem acumulado polemicas nos bastidores e a última foi a briga entre o vice-presidente, Ataíde Gil Guerreiro, onde ele teria acertado um soco no mandatário.

LEIA MAIS
Comentarista do Fox Sports detona Carlos Miguel Aidar: “Só ele gosta dele”
Esquecido em agradecimento, Aidar ignora nome de Osorio em coletiva

Desde que assumiu o São Paulo, em abril de 2014, os bastidores do São Paulo têm se destacado mais que o próprio time dentro de campo. Brigas com rivais, dividas com jogadores e clubes e até mesmo com Juvenal Juvêncio foram notícias na mídia.

Pensando na última com o ex-vice Ataide Gil guerreiro, o Torcedores.com irá relembrar cinco episódios que estão marcando negativamente a “Era Carlos Miguel Aidar”.

PAULO NOBRE

Após contratar Alan Kardec, após segundo Paulo Nobre o Palmeiras ainda estar negociando com o jogador, Aidar ironizou o mandatário do Verdão. Nobre ainda chamou a atitude de Aidar de antiética e o presidente do São Paulo afirmou que a afirmação do rival além de ser patética mostra que o clube estava se apequenando.

JUVENAL JUVÊNCIO

O ex-presidente do São Paulo apoiou Aidar em sua campanha para substituí-lo. No entanto uma confusão entre os dois se tornou publica e fez com que Juvenal rompesse com o atual mandatário, inclusive com ele sendo demitido do departamento das categorias de base, em Cotia.

NAMORADA RECEBENDO COMISSÃO

A namorada de Carlos Miguel Aidar, Cinira Maturana, tinha um acordo com o São Paulo para receber 20% de comissões para os negócios que trouxesse para o São Paulo, segundo o próprio dirigente afirmou ao jornal Folha de São Paulo. Como até o momento ela não tinha fechado nenhum acordo em benefício do Tricolor, Aidar em coletiva afirmou que Maturana não havia recebido nenhum centavo.

COBRANÇA PÚBLICA A MURICY

Carlos Miguel Aidar afirmou, ainda em 2015, que havia trazido os jogadores que Muricy havia pedido e que estava na hora da vez dele cobrar publicamente. Muricy então rebateu o mandatário: “Eu já vi tudo no futebol. Agora, você (mesmo) se pressionar, nunca tinha visto. A gente está se pressionando. Não é a torcida, não. É um negócio chato, não agrega nada, não ajuda em nada. Acabamos em segundo lugar no ano passado”. 

CONFUSÃO COM ORLANDO CITY

Por causa das dívidas pelo empréstimo de Kaká junto ao Orlando City, em 2014, o clube americano colocou o São Paulo na Justiça. Caso vença a causa, o Tricolor terá que pagar cerca de R$ 14 milhões.

Foto: Rubens Chiri / saopaulofc.net



Jornalista. Como todo torcedor também gosto de dar meus pitacos. Fã da seleção italiana, do Milan e do Arsenal.