Brasileiro vence torneio de pôquer online WCOOP e fatura R$260.000,00

Acervo Pessoal

Mais um pra conta! O campeão mundial de pôquer online em 2014, Francisco Nogueira teve mais um grande resultado na carreira no final do mês de setembro. Chiconogue foi campeão de um torneio especial – o Sunday Rebuy, um dos torneios mais difíceis na opinião dos profissionais – e faturou US$65.412,00, aproximadamente R$260.000,00 no câmbio atual. Foi seu quarto maior prêmio em dinheiro da carreira.

Leia mais: Campeão mundial do WCOOP 2014 dá dicas para quem quer começar no pôquer

Promovido pela PokerStars, o World Championship of Online Poker (Campeonato Mundial de Pôquer Oline) acontece todo ano durante o mês de setembro. Na edição de 2015, 70 torneios fizeram parte da série, que distribuiu mais de 66 milhões de dólares em premiação.

O torneio, disputado na plataforma do PokerStars contou com outros 1061 jogadores e teve 10 horas e 56 minutos de disputa. Para sagrar campeão-se, Francisco Nogueira, mais conhecido como Chiconogue (seu apelido no site), bateu um canadense, que levou US$47.459,25 (quase R$190.000,00) pela segunda colocação.

“Foi muito bom para minha reafirmação como jogador”, avalia. “Eu tinha sentido um pouco a eliminação na mesa final da WCOOP [Campeonato Mundial de Pôquer Online], mas com a ajuda da minha psicóloga, família e amigos percebi que também foi uma grande conquista”, destacou Nogueira, se referindo a um quinto lugar no evento de número 16 da série mundial, disputado no dia 12 de setembro, e que lhe rendeu um lucro de aproximadamente R$225.000,00. O primeiro colocado levou quase um milhão de reais para a conta.

Francisco credita os bons resultados ao estudo e preparação para as competições. “[Realizei] treinos mentais e físicos (tênis e corrida). Apesar de não estar propriamente em forma, isso me possibilitou aguentar as longas sessões e o mês de WCOOP todo, coroando o mês com esta conquista”, disse.

Para os iniciantes e até mesmo profissionais que também desejam obter sucesso, Chico dá a dica. “Não desistam e não coloquem a culpa no software ou no adversário. No longo prazo, você é o único e exclusivo responsável pelos seus resultados, não somente no esporte, mas, sim, na vida”, finalizou.

Imagem: Divulgação/ Acervo Pessoal



Formada em jornalismo pelo Mackenzie, demorei anos para perceber que dá, sim, para ir atrás dos sonhos e trabalhar com o que se gosta: o esporte. Hoje me divido entre o esporte e a política. Nunca vou me conformar com os que dizem: "É só futebol.."