Caso Iago Maidana afastou Aidar e Guerreiro no São Paulo

CarlosMiguelAidar1Ataíde Gil Guerreiro não ocupa mais o cargo de vice-presidente de futebol do São Paulo Futebol Clube. Rubens Antônio Monteiro, que era o diretor de futebol também se afastou do clube do Morumbi.

A saída dos dois ocupantes dos cargos ligados ao futebol foi confirmada pelo presidente Carlos Miguel Aidar. Além dos dois citados, outros integrantes admitem quem podem entregar cargos e deixar o Tricolor.

“Sim (eu demiti), ontem (segunda), e hoje (terça) ele pediu demissão. Sim, houve discussão acalorada. Faltou sintonia fina”, disse Aidar ao site GloboEsporte.

De acordo com relatos, uma briga entre Guerreiro e Aidar aconteceu no Hotel Radisson e a discussão que estava acalorada terminou em vias de fato. As razões para a agressão ainda permanecem obscuras, mas teriam começado na escolha de um sucessor para o cargo ainda ocupado por Juan Carlos Osorio e descambado para uma acusação forte de Aidar, gerando o revide de Guerreiro.

Outra razão, apontada pela página das organizações Globo para o desentendimento entre as partes é a contratação do zagueiro Iago Maidana. A negociação foi conduzida por José Eduardo Chimelo, sob orientação de Carlos Miguel e isso gerou um desconforto entre presidente e vice de futebol, resultando em acusações com dedo em riste. Desde então os dois já não falavam a mesma língua e Guerreiro evitava falar sobre a negociação com o atleta.

“Não falo mais. O presidente disse que foi ele que fez a negociação. Não fui eu, foi o presidente, mas não existe nada. Chega desse assunto. Não tem mais o que falar. Já está dito pelo presidente. Ele já falou que fez a negociação. Eu só falo do que eu faço. Não vejo nada de errado nessa transação. Era algo que queríamos, e o Criciúma não quis fazer conosco. Depois de alguns meses os empresários nos ofereceram”, declarou à época o agora ex-vice de futebol são paulino.