Em tempos de Chape x River, relembre outros dois improváveis duelos envolvendo brasileiros

Crédito da foto: Divulgação/Conmebol.

Assim que a Chapecoense eliminou o Libertad, do Paraguai, nas oitavas de final da Copa Sul-Americana, o Twitter oficial do clube tratou de avisar o River Plate, rival das quartas: “estamos llegando”. A brincadeira é justíssima e faz todo sentido se olharmos para trás e relembrarmos o quanto improvável seria esse confronto há algumas temporadas. 

MAIS ESPORTES:

Cinco imagens que mostram que a preocupação de Ronaldinho Gaúcho não é mais a bola

Antes de encarar Ferrer, Bellucci treina com Nadal em Pequim

Novata na elite nacional – conquistou o acesso em 2013 -, a Chape, em dois anos de série A, já pode ser orgulhar de alguns feitos “históricos”. Em seu primeiro ano no topo, aplicou 5×0 no Inter em sua Arena Condá e ainda foi ao Morumbi bater o todo poderoso São Paulo por 1×0. Esse ano, mesmo na briga contra o rebaixamento, o time catarinense aplicou uma sonora goleada por 5×1 frente ao Palmeiras em Chapecó.

Detentor do título da Sul-Americana e atual campeão da Libertadores, o River Plate pode se aproximar de mais uma conquista continental em um dos períodos mais vitoriosos de sua história. Para isso, claro, terá de superar o querido Verdão do Oeste. As datas já estão confirmadas. Na quarta-feira, dia 21 de outubro, a Chape vai a Buenos Aires no jogo de ida do embate. A volta ocorre uma semana depois, dia 28, em Chapecó, onde conheceremos o semifinalista de um duelo tão improvável quanto os que listamos abaixo.

Paulista x River – Libertadores de 2006

Para o River Plate, não será novidade encarar um time fora do grupo tradicional das principais equipes brasileiras. Em 2006, o time de Buenos Aires vivenciou essa experiência na fase de grupos da Libertadores, quando caiu na mesma chave que o Paulista de Jundiaí – campeão da Copa do Brasil do ano anterior embalado por Marcio Mossoró e Léo.

Duro na queda, o time do interior paulista não fez feio diante do imponente rival argentino. No jogo do primeiro turno do grupo, o River fez valer o fator casa e aplicou 4×1 no Paulista jogando no Monumental de Nuñez no dia 16 de março de 2006. Mas, no returno, o Paulista mostrou força e deu o troco ao bater o time misto do River por 2×1, com gols de Amaral e Jaílson.

Relembre as escalações de Paulista 2×1 River, 5 de abril de 2006:

Paulista: Rafael; Lucas (Jean Carlos), Dema, Rever, Beto; Douglas, Amaral, Wilson, Jaílson; Muñoz (Bosco) e Glaydson. Técnico: Vagner Mancini.

River Plate: Lux; Alvarez, Cáceres, Tula, Mareque; Pusinieri (Zapata), San Martín, Ahumada, Patiño (Montenegro); Oberman e Abán (Farías). Técnico: Daniel Passarela.

Gols:

 

Vélez Sarsfield x Ponte Preta – Copa Sul-Americana de 2013

A Macaca fez história na Sul-Americana de 2013. Mesmo envolvida na briga contra o rebaixamento pelo Brasileirão daquele ano, que, mais tarde, viria a se concretizar, o time de Campinas orgulhou o Brasil ao fazer uma linda campanha na Copa Sulamericana, com direito à vitória e classificação sobre o Vélez, da Argentina, no campo do adversário.

No primeiro jogo, o empate em 0x0 reservou todas as definições do confronto de quartas de final para o jogo na Argentina. E a torcida da Ponte não abandonou o time. Pelo contrário, marcou presença em ótimo número no estádio José Amalfitani e, no fim, saiu recompensada.

Treinada por Jorginho, hoje no Vasco, a equipe aliou entrega, garra e organização tática para surpreender o favorito oponente. Com gols de Elias e Fernando Bob, este já nos acréscimos, a Ponte garantiu 2×0 e uma vitória inesquecível. Na semi, ainda eliminaria o São Paulo de Muricy. Porém, na finalíssima, o Lanús acabou com o sonho dos brasileiros – o que não quer dizer que em algum dia a grande vitória da noite de 7 de novembro de 2013 será esquecida.

Relembre as escalações de Vélez 0x2 Ponte Preta, 7 de novembro de 2013.

Vélez: Sosa; Cubero, Tobio, Sebá Domínguez, Papa; Romero, Canteros (Cáseres), Insúa (Allione), Ariel Cabral; Rescaldani (Copete) e Lucas Pratto. Técnico: Ricardo Gareca.

Ponte Preta: Roberto; Artur, César Martins, Diego Sacoman, Uendel; Baraka, Magal, Elias (Fernando Bob), Chiquinho (Betão); Rildo (Régis Souza) e Leonardo. Técnico: Jorginho.

Gols:

Crédito da foto: Divulgação/Conmebol.

 



Jornalista formado pela PUCRS em agosto de 2014. Dupla Gre-Nal.