Menina de 9 anos é a única entre 78 meninos em clínica internacional de futebol

assinatura_Julia
Assim como a grande maioria das meninas, Gisela começou a jogar bola com os meninos, e até hoje atrai olhares curiosos de quem a vê dominando, chutando, driblando e se divertindo no meio deles. Com apenas 9 anos, ela já enxerga a diferença do que aprende quando está jogando com eles ou com elas, mas que o importante mesmo é poder fazer o que ela tanto ama: jogar futebol. 

Em julho desse ano, Gisela se inscreveu no Juventus Soccer Camp realizado na Ponte Preta, em Campinas. A clínica de futebol ministrada por técnicos italianos já está há quase dois anos no Brasil, e, como era de se esperar, atrai um número muito maior de meninos do que de meninas para os seus treinamentos. Mas não era nisso que ela estava pensando. Ela queria se divertir, aprender, viver aquela experiência. Pra ela, nada nem ninguém diria que ali não era o seu espaço.

Gi foi a única menina entre 78 meninos a participar do Camp. Assim como todas as crianças, ela teve a oportunidade de aprender os ricos ensinamentos que o futebol pode trazer para qualquer pessoa. Na memória dela, ficou gravado o encantamento de aprender mais sobre o esporte que ela tanto ama:

O que eu mais gostei é que eram professores de outro países, então eles tem outras técnicas. Lá eu aprendi a dar cabeça direito, a dominar direito. Embaixadinha eu também aprendi lá, que eles faziam, mas eu ainda não faço bem.

Além da Gisela, Fabio é pai de outros dois meninos, e faz questão que todos eles enxerguem a importância de vivenciar a diversidade em todos os âmbitos da vida pessoal ou profissional. Por experiência própria, ele afirma ter certeza de que o futebol é um dos melhores professores dessa lição.

Eu acho que a gente tem que incentivar a fazer esporte. Hoje, mulher jogando futebol foi uma quebra de paradigma, e acho que foi uma coisa muito saudável pra elas poder jogar futebol. Pra mim, é o melhor esporte que tem.

Se por um lado a experiência de jogar entre os meninos traz muitos benefícios pra elas, por outro lado isso ainda segue sendo uma barreira para muitas meninas que acabam não se identificando com o futebol. Muitos pais são parte fundamental nisso, pois também ficam receosos e preferem buscar uma alternativa onde suas filhas possam se sentir representadas, confortáveis e entrosadas.

Além disso, é importante que exista desde cedo a realidade de formação e construção de equipes femininas, para que isso possa refletir lá na frente no aumento do número de times competindo nas esferas escolares, universitárias, e até no profissional. Essa é a base que o futebol feminino tanto carece ainda no nosso país.

Como forma de atender também a esse público, a Juventus realizará em dezembro, em São Paulo, sua primeira clínica internacional exclusiva para meninas. O único pré-requisito para participar é ter entre 6 e 17 anos e ter muita energia e vontade de aprender.

É o sonho de uma criança poder participar disso. É uma experiência inesquecível.

1o Juventus International Camp Feminino
16 a 19 de dezembro de 2015
Local: Ipê Clube (Rua Ipê, 103 – Ibirapuera – São Paulo, SP)
Inscrições: www.jssbrazil.com.br
Informações: brazil@jssbrazil.com.br ou (11) 96669-6924



Cultura esportiva por e para mulheres. Sem clubismo, sem machismo, e com muita relevância. As ~dibras: Angelica Souza, Júlia Vergueiro, Nayara Perone, Renata Mendonça e Roberta Nina.