Oposição tenta impedir indicação de novos diretores para forçar renúncia de Aidar

Vários grupos oposicionistas do São Paulo futebol clube estão se unindo, entre elas os ligados ao ex-presidente Juvenal Juvêncio e ao vereador e ex-superintendente de futebol, Marco Aurélio Cunha, para articular a renúncia do atual mandatário do clube, Carlos Miguel Aidar, de acordo com informação veiculada pelo portal UOL.

O plano passa pela tentativa de impedir que sejam indicados novos vices-presidentes para a continuidade da atual gestão. Nesta terça-feira (6) os três vices e diversos diretores entregaram os cargos ao presidente do clube. Caso o plano proposto seja bem sucedido, Aidar ficaria isolado politicamente e teria que sair da direção do clube.

Para Roberto Natel, o momento exige uma atitude nobre do atual comandante Tricolor.

“Acho que a única solução para o São Paulo é uma renúncia do Aidar. Não tem condições de continuar. Se voltar a dar condições para ele, ele vai fazer as mesmas besteiras que ele vem fazendo. Carlos Miguel já está fazendo uma outra manobra. Percebeu que os diretores estavam saindo, entregando renúncia, e ele reverteu e pediu que todos entreguem os cargos”, disse.

Já o candidato de oposição na eleição passada do São Paulo, Kalil Rocha Abdalla, ligado a Marco Aurélio Cunha, tratar da saída de Aidar é uma questão real.

“Essa gestão acabou hoje. Agora é uma questão de como vai ser a saída”, disse.

Desde a última reunião do Conselho Deliberativo, em que o empresário Abilio Diniz levantou duvidas sobre a negociação frustrada do zagueiro Rodrigo Caio, o destino da verba auferida com a venda de Gabriel Boschilia e a controversa compra dos direitos econômicos do zagueiro Iago Maidana detonou uma série de pedidos de explicação dentro do clube.

Além disso, houve a tentativa de votação de uma moção de desconfiança à gestão Aidar, mas ela só conseguiu o apoio de 62 conselheiros, quando precisava de 240 assinaturas para ir à votos, e se aprovada, exigiria a convocação de uma reunião extraordinária dos associados, em que deverá ter um quórum de 75% e a oposição diz ter 67 votos, mas acredita que se viabilizar o impedimento de indicações de novos diretores e vices, conseguiria inviabilizar a manutenção de Aidar na presidência são paulina.

Foto: Joel Chang/saopaulofc.net