SporTV exibe imagem de delegado de Chapecoense x Palmeiras com celular na mão

Foto: Reprodução/Sportv

A partida entre Chapecoense e Palmeiras ocorrida no último domingo, na Arena Condá, continua dando o que falar. O SporTV apresentou na noite de segunda-feira imagens do delegado do jogo, Marco Antônio Martins, com um celular na mão à beira do gramado, reforçando as suspeitas de que houve interferência externa na arbitragem de Jaílson Macedo Freitas, que ainda no primeiro tempo expulsou o palmeirense Egídio, e depois de conversa com o quarto árbitro e assistente voltou atrás, anulando o vermelho. O comentarista de arbitragem Arnaldo Cézar Coelho criticou o delegado pelo uso do aparelho e viu contradições no discurso de Marco no pós-jogo.

LEIA MAIS:
Delegado nega interferência externa na polêmica de Chapecoense x Palmeiras
Palmeiras: Árbitro “esquece” cartão vermelho anulado para Egídio na súmula
Juiz expulsa Egídio e volta atrás em lance polêmico de Chapecoense x Palmeiras

“O delegado do jogo tem um telefone celular na mão e fica circulando na pista com esse telefone celular. Porque o delegado fica com o celular na mão para baixo e para cima. Será que ali alguém telefonou para ele, será que alguém mandou uma mensagem? Isso não é legal. Para mim, o delegado do jogo tem que ficar lá em cima e não ter participação na beira do campo. Esse fato foi muito ruim. Ainda bem que o árbitro corrigiu o erro. Seria uma grande injustiça a expulsão do jogador do Palmeiras”, afirmou Arnaldo durante participação no “Bem, Amigos”.

O polêmico lance ocorreu aos 15 minutos do primeiro tempo quando a Chapecoense já vencia por 1 a 0. Em rápido contragolpe, Willian Barbio disparou pelo meio e foi desarmado por Egídio próximo da entrada da grande área. Jaílson Macedo viu falta na jogada e expulsou diretamente o palmeirense já que era uma situação clara e manifesta de gol, porém, quatro minutos depois voltou atrás, anulou a infração e consequentemente o cartão vermelho. Egídio, que estava no vestiário, retornou ao gramado.

É bom lembrar que em entrevista após a partida, o delegado negou a interferência externa e justificou a demora na decisão pela “falha nos equipamentos de rádio da arbitragem”.

“Há duas contradições no discurso dele. Ele diz que durante o jogo não pode passar nenhuma informação, mas disse que pode passar depois do jogo. Também não pode. Porque depois do jogo o árbitro vai fazer a súmula, e se ele recebe informações externas do que aconteceu, ele pode chegar para o árbitro e dizer: “tem informações de fora, imagens que mostram isso, isso e isso”. E o árbitro vai escrever conforme a informação que lhe derem. Então não pode falar porque é proibido”, explicou.

Sem nada a ver com a polêmica, a Chapecoense goleou o Palmeiras por 5 a 1 e ficou um pouco mais longe da zona do rebaixamento do Brasileirão. Já o time paulista foi ultrapassado pelo Santos e deixou o G-4.

foto: Reprodução/Sportv



Rafael Alaby é jornalista diplomado pela FIAM (Faculdades Integradas Alcântara Machado), com passagens pela Chefia de Reportagem de Esportes, da TV Bandeirantes, em São Paulo e site KiGOL. Pós-graduado em Jornalismo Esportivo e Negócios do Esporte (FMU)