10 heróis de mata-matas entre Santos e Palmeiras que poucos lembram

Santos e Palmeiras começam nesta semana, na próxima quarta-feira, às 22h, a decidir a Copa do Brasil. Será o 11° mata-mata da história da rivalidade entre as equipes. E os 10 confrontos anteriores guardam lembranças saborosas, como as dos heróis improváveis, que poucos lembram.

Leia também: Apostar em pênaltis pode ser boa ideia para a final da Copa do Brasil

Todos os duelos tiveram, ao menos, um salvador para um dos lados que não estava entre as estrelas do time. Assim, abaixo, você não verá Pelé e Ademir da Guia, Pepe e Marcos. Mas verá Madson e Edmílson. Baiano e Darci. Porque o futebol sempre surpreende.

romeiro1959 – Romeiro
Palmeiras e Santos decidiam o Paulista de 1959. No primeiro jogo, empate. No segundo jogo… Empate. Já em 1960, então, o 3° e decisivo duelo precisou ocorrer.

Pelé abre o placar. Julinho Botelho empata. Os craques de cada time. Mas o gol do título não seira de alguém tão famoso.

Romeiro, de falta, é quem dá o título ao Palmeiras, no primeiro mata-mata da história entre os times. Foi o gol mais importante dos 62 que fez pelo clube.

peixinho1964 – Peixinho
Arnaldo Poffo Garcia fez o primeiro gol da histórai do Morumbi, pelo São Paulo, e, diz a lenda, imortalizou o termo “peixinho” para gol de cabeça quase deitados. Mas também é um herói do Santos nos duelos com o Palmeiras.

Em 1964, nas semifinais da Taça Brasil, marca o quarto gol do Santos sobre, para tornar goleada a vitória que colocou o time na decisão.

toninho guerreiro1965 – Toninho Guerreiro
Toninho Guerreiro é um dos maiores atacantes da história do Santos. Há até quem o coloque na seleção ideal de todos os tempos do clube. Mas ele aparece aqui pois, em 1965, nas semifinais da Taça Brasil, marcou três gols na goleada por 4 a 2 do Santos na partida de ida, praticamente garantindo a vaga na final.

E ele fez três gols mesmo jogando ao lado de Pelé, Abel, Dorval… Não era qualquer um que tomava para si os holofotes com tanto craque em campo ao mesmo tempo.

baiano1997 – Baiano
O Santos foi campeão do Rio-SP de 1997 e, para isso, conseguiu no caminho uma improvável vitória sobre o Palmeiras no Palestre Itália. Na partida de ida das semifinais, bateu o rival por 3 a 1.

Se a zebra apareceu naquele jogo, a maneira com que o fez foi ainda mais surpreendente: o lateral direito Baiano abriu o placar para o Santos com um chute de perna esquerda e aparecendo no meio da área, como um centroavante. Improvável, mas herói – e vestindo o famoso calção com estrelas…

darci1998 – Darci
Santos e Palmeiras empataram a primeira partida das semifinais da Copa do Brasil de 1998, em São Paulo, por 1 a 1. Restava ao Palmeiras ir à Vila Belmiro e conseguir, ao menos, um empate com mais gols.

E foi isso que ocorreu. Em um time com Oséas (que fez o 1° do Palmeiras), Paulo Nunes, Zinho, Pedrinho e Arce, quem fez o gol da vaga no empate por 2 a 2 foi o volante, com um chutaço de fora da área que deixou Zetti parado.


edmilson1999 – Edmilson

O Santos buscava o fim da fila, mas novamente parou no Palmeiras – agora no Paulista. Depois de ganhar por 2 a 1 a partida de ida, segurava o 1 a 1 na volta para se classificar para a decisão. Mas…

No final do jogo, Edmilson fez jogada individual pela direita. Invadiu a área. E foi preciso no cruzamento para Paulo Nunes. Do pé de um atacante muito menos famoso do que os astros daquele time que seria campeão da Libertadores é que a vaga na final do Palmeiras surgia, enquanto a fila do Santos seguia.

eduardo marques2000 – Eduardo Marques
Ainda na fila, o Santos tentava novamente passar pelo Palmeiras na semifinal do Paulista. Empatou o primeiro jogo por 0 a 0. Mas perdia o segundo por 2 a 0 aos 24 minutos do segundo tempo. Com o Palmeiras tendo a vantagem do empate.

Foi aí que surgiu Eduardo Marques. Um chute de muito longe entrou no ângulo de Marcos. Ainda faltavam dois gols e só 20 minutos. Mas o Santos passou a achar que dava. E deu. Ânderson Luiz empatou de cabeça e se tornou outro herói improvável, enquanto Dodô aos 44 min., assegurou a virada histórica e a vaga na final.

madson2009 – Madson
O Santos vivia uma crise muito forte, Neymar era apenas uma aposta recém-saída da base e o time vinha de um quase-rebaixamento no Brasileiro de 2008. Para completar, na primeira fase do Paulista de 2009 o Palmeiras havia goleado o rival por 4 a 1.

Porém, na partida de ida da semifinal, na Vila, Neymar decidiu na vitória por 2 a 1. Restava tentar evitar a virada no Palestra Itália. E foi Madson quem abriu o placar para o Santos, complicando a vida do Palmeiras – que não conseguiu virar e ainda perdeu por 2 a 1.

rene junior2013 – Renê Júnior
O nível dos times naquela quarta de final do Paulista não era alto – basta ver que, nos pênaltis, Miralles e Renê Júnior marcaram para o Santos. E que, no tempo normal, Kleber, mais conhecido como “Kleber do Porto”, foi quem empatou para o Palmeiras e forçou a decisão nas penalidades.

Renê foi o último a bater pelo Santos, que não precisou da cobranças de Neymar, e colocou o time na semifinal – a última do hoje atacante do Barcelona pelo clube.
vladimr2015 – Vladimir
Santos e Palmeiras disputaram um mata-mata pela última vez antes da final da Copa do Brasil ainda neste ano. Na final do Paulista, o Santos foi campeão nos pênaltis na Vila Belmiro.

E o herói do time dificilmente entrará em campo na decisão do torneio nacional: Vladimir. O goleiro pegou a cobrança de Rafael Marques, no único chute que parou em defesa de goleiro, e ajudou na conquista do título. Hoje, é reserva de Vanderlei – alívio para os palmeirenses?



Jornalista esportivo.