Álvaro Pereira diz que voltaria ao São Paulo e torce por Lugano no Tricolor

Getty Images

O lateral-esquerdo Álvaro Pereira, que atualmente defende o Estudiantes, da Argentina, tem boas recordações de sua passagem pelo São Paulo. Ele fez campanha para seu companheiro de seleção, Diego Lugano, voltar a vestir a camisa do Tricolor.

LEIA MAIS:
VÍDEO: Relembre o dia em que Rogério Ceni discutiu ao vivo com jornalista no SporTV

Nas últimas semanas, surgiram boatos sobre a possível chegada do zagueiro ao time do Morumbi em 2016. A própria diretoria do São Paulo já comentou o interesse do clube no atleta.

“Acho que depende muito da diretoria. Ele declarou amor ao São Paulo, seria bonito ele voltar. Para o clube também”, afirmou Álvaro Pereira a respeito de Lugano, que está no Cerro Porteño, do Paraguai, em entrevista ao Globoesporte.com.

Sobre sua possível ida ao São Paulo, o Lugano chegou a comentar que só depende da diretoria do Tricolor para as negociações avançarem. Apesar de ter 35 anos, o zagueiro está tendo bom desempenho no Cerro Porteño, onde fez o número de gols sofridos ser reduzidos pela metade e balançou as redes quatro vezes em nove partidas.

Álvaro Pereira disse que o Estudiantes prefere sua permanência no clube. Mas afirmou que o futebol é imprevisível, e que jamais diria que não voltaria ao São Paulo.

“O ano que passei no clube eu fui muito feliz, e agradeço ao pessoal e aos torcedores, que me fizeram eu me sentir em casa. O tempo vai dizer (sobre o futuro), mas o Tricolor mora no meu coração”, acrescentou o lateral.

OPINIÃO: 

Com a aposentadoria do capitão Rogério Ceni em dezembro, o São Paulo necessitaria de um líder para reger o time em 2016. No momento, não há ninguém melhor que Lugano para exercer esse papel no clube. O uruguaio tem forte identificação com o torcedor tricolor, que está sempre cobrando “raça” do elenco, justamente uma das características marcantes do uruguaio.

Crédito da foto: Getty Images



Estudante de Jornalismo da Universidade São Judas. Comecei o ensino superior fazendo exatas, mas apanhei mais que o Brasil contra a Alemanha na Copa de 2014, todo dia era um 7x1 diferente. Então decidi fazer o que eu amo mesmo. Não nasci chorando.