Leco fala de Lugano e Aguirre, mas não confirma chegada dos uruguaios

Inter
Divulgação/SC Internacional

O São Paulo ainda tenta se reorganizar depois da goleada sofrida pelo Corinthians no último domingo (22), na Arena Corinthians. Para isso, o presidente Carlos Augusto de Barros e Silva convocou entrevista para tentar explicar o momento do time, que busca um técnico e quer também a volta do comprometimento dos jogadores em campo.

Leia Mais:
Abílio Diniz alerta São Paulo: “2016 pode ser ainda pior do que 2015”
Em ano conturbado, São Paulo passa vexame diante de rivais
Leco pede desculpas à torcida e fala em reformulação para 2016: “exigimos atitude de comprometimento”

Um dos nomes cotados para assumir o comando da equipe é o do uruguaio Diego Aguirre. Mas o mandatário tricolor preferiu focar no perfil de treinador que o clube pretende. E deixou claro que quer um treinador que imprima um estilo competitivo ao time.

“Não farei observações sobre nomes específicos. Aguirre é bem reputado, está sendo comentado e é uma das figuras cogitadas. Será um treinador moderno, com visão moderna do futebol, capacidade de comando do grupo exigida e que nós temos experiências passadas que foram exitosas. Técnico competitivo, time brigador certamente. Aquele que não renúncia em nenhum momento à disputa, sabendo que isso é algo essencial no futebol. Dentro do seu trabalho, vai colocar a marca dele e discutir conosco o perfil dos jogadores. A contratação do técnico vai passar por aspecto de integrar permanentemente o futebol de base e profissional, para ter um padrão em todos os níveis do São Paulo”, analisou Leco.

O presidente do clube revelou que passou uma noite péssima após a derrota imposta pelos reservas do Corinthians. Ao elogiar o ídolo Diego Lugano, apesar de não falar sobre a contratação do zagueiro uruguaio, Leco deixou transparecer seu incômodo com a postura de alguns jogadores.

“O Lugano é um símbolo da história do São Paulo, que honra e dignifica a história do São Paulo. A torcida grita o nome dele e quer o que ele simboliza, raça, entrega, determinação, valentia e não aceitar pura e simplesmente um resultado. Esse problema está nos incomodando, de se ganhar está bom, se perder não faz mal. Não! Se perder vai ter que sofrer. E o sofrer é de sentimento, de não gostar de perder. É isso que pretendemos do nosso São Paulo”, finalizou Leco.

O São Paulo, apesar de toda a crise, está na 4ª colocação do Campeonato Brasileiro, com 56 pontos, mesma pontuação do Internacional, mas o time paulista leva vantagem no saldo de gols. O Tricolor volta a campo no próximo sábado, quando enfrenta o Figueirense, no Morumbi. E fecha o ano contra o Goiás, fora de casa.



Jornalista que gosta de boas histórias e grandes personagens, não importa se dentro ou fora de campo