Leco pede desculpas à torcida e fala em reformulação para 2016: “exigimos atitude de comprometimento”

Crédito da foto: Ruens Chiri/saopaulofc.net

O São Paulo ainda recolhe os cacos da goleada sofrida diante do Corinthians no último domingo (22), por 6 a 1, imposta pelos reservas do Alvinegro. Nesta segunda-feira, dia de folga para o elenco, o presidente do clube, Carlos Augusto de Barros e Silva, convocou entrevista coletiva para tentar explicar o mau momento do time em campo e também os problemas do clube. E pediu desculpas para a torcida tricolor pelo resultado sofrido no clássico.

Leia Mais:
Em ano conturbado, São Paulo passa vexame diante de rivais
Abílio Diniz alerta São Paulo: “2016 pode ser ainda pior do que 2015”
Arouca pede dedicação total do Palmeiras e diz: “Este grupo merece ser campeão”

“Eu estou aqui presente para abordar este momento difícil, traumático e triste na vida do São Paulo. Fundamentalmente motivado pelo resultado desastroso de ontem, que nos causou da perplexidade à indignação. O São Paulo quer, pela sua presidência, declarar seu sentimento pelo sofrimento da torcida”, declarou Leco.

O mandatário tricolor afirmou também que é hora de focar o mais rápido possível na disputa da vaga na Libertadores, mas reconheceu que o desastre no clássico estava escrito.

“O que aconteceu ontem pode ser interpretado como uma consequência. E parece que era uma situação que já estava preconizada e acabou acontecendo, infelizmente. Nossa gestão é recente e tem um compromisso de imprimir ao São Paulo uma marca de transparência ao time, e nada disso está alterado em razão do triste acontecimento de ontem. É necessário encarar. O São Paulo está diante da possibilidade de alcançar um objetivo importante, de ficar entre os quatro primeiros e se classificar para a Libertadores. Mas ela, por si só, não será uma conquista que nos iluda. Será um passo importante para recuperar o ânimo do torcedor, recuperar a auto-estima, uma condição de obter recursos para resolver a condição financeira que enfrentamos”, reconheceu o presidente.

Ele garantiu que no momento não tem como fazer mudanças drásticas, mas afirmou que haverá uma reformulação para 2016.

“Não adianta encarar o momento de ontem, que doeu em todos, como algo para tomar atitudes heroicas, como mandar embora um ou outro. Não será desestruturando o São Paulo que vamos conseguir alcançar nosso objetivo. Vamos pensar, sim, em reformulação de elenco. Não está havendo comprometimento em todos jogadores desse elenco. Exigimos uma atitude de comprometimento que não estamos vendo. Faço uma análise generosa imaginando que não seja fruto de má intenção, mas sim de não saber lidar com adversidades que marcam as grandes figuras da vida. Quero acreditar que isso se deve a certa estupefação, de não saber lidar com adversidades maiores. A análise será feita por esse lado”, finalizou o mandatário.



Jornalista que gosta de boas histórias e grandes personagens, não importa se dentro ou fora de campo