Na Memória: A ousadia de Abel Braga no Gre-Nal do Século

Arquivo.

Uma tarde típica do verão de Porto Alegre. Calor abafado, sol forte e Gre-Nal. Uma semana depois dos festejos de carnaval, que em 1989 veio cedo demais, Inter e Grêmio se reencontravam no Beira-Rio naquele dia 12 de fevereiro para decidir quem seria o finalista do Campeonato Brasileiro. Do outro lado da chave, Bahia e Fluminense duelavam. Mas foi o Gre-Nal do Século que realmente tornou aquela fase de semifinal inesquecível.

MAIS GRE-NAL:

Veja o que mudou na dupla Gre-Nal 100 dias depois do clássico dos 5×0

Gre-Nal falado: relembre provocações que ajudaram a apimentar o clássico

O tempo quente não afastou o público. Em uma época em que os estádios ainda abrigavam muitas pessoas, o Beira-Rio recebeu 78.083 pessoas, que ajudaram a dar um colorido diferente a uma tarde especial. Nunca, até aquela oportunidade, os dois gigantes do Rio Grande do Sul haviam disputado entre si uma vaga direta à final do Brasileirão. O jogo era cercado de muitas expectativas. E terminou envolvendo muitas emoções.

Os primeiros 45 minutos foram dominados pelos azuis. Comandado pelo grande Rubens Minelli, o Grêmio envolveu o inimigo na casa adversária e poderia ter matado o confronto ali mesmo. Não o fez, e pagou um preço caro por isso. Mesmo assim, abriu o placar logo aos 25 com Marcos Vinícius. Perdendo por 1×0, o Inter ainda teve o lateral Casemiro expulso e foi para o intervalo tendo que arrumar a casa para não levar mais.

Era hora de ousar

Mas o Inter tinha na casamata Abel Braga, ofensivo por natureza, que seguidamente admite que ir ao ataque lhe coça. Com um homem a menos e perdendo o Gre-Nal, Abel decidiu arriscar. Tirou o volante Leomir e colocou o atacante uruguaio Diego Aguirre, que, mais tarde, viria a ser o técnico do Internacional. A ousadia poderia se transformar em uma tragédia. Ou não.

Mais aberto em campo, o colorado encurralou o Grêmio em seu próprio campo e se tornou soberano na partida assim que o árbitro deu o reinício de jogo. Aos 16, Edu Lima cobrou falta e Nilson empatou. Dez minutos após, Maurício realizou grande jogada e serviu Nilson, que mais uma vez foi às redes e garantiu a passagem para a final e a histórica virada colorada, até hoje lembrada no eterno Gre-Nal do Século.

Reveja a reportagem do Globo Esporte feita na época:

Confira a ficha do jogo:

12/02/1989 – INTERNACIONAL 2 x 1 GRÊMIO – Estádio Beira-Rio

Internacional: Taffarel; Luis Carlos Winck, Aguirregaray, Nenê e Casemiro; Norberto, Leomir (Diego Aguirre) e Luis Carlos Martins; Mauricio (Norton), Nilson e Edu Lima. Técnico: Abel Braga

Grêmio: Mazaropi; Alfinete, Trasante, Luis Eduardo e Airton; Bonamigo, Cristóvão e Cuca; Jorginho (Reinaldo Xavier), Marcos Vinicius e Jorge Veras (Serginho). Técnico: Rubens Minelli

Árbitro: Arnaldo Cézar Coelho

Expulsão: Casemiro (I), aos 38 do primeiro tempo

Cartões Amarelos: Trasante e Airton

Gols: Marcos Vinicius (G), aos 26 minutos do primeiro tempo, e Nilson (I), aos 16 e 26 minutos do segundo tempo.

Público: 78.083

Renda: NCz$ 58.944,00

Foto: Arquivo/Inter.



Jornalista formado pela PUCRS em agosto de 2014. Dupla Gre-Nal.