Opinião: Existe fórmula certa para ser campeão?

Com o fim do ano e dos principais campeonatos disputados aqui no Brasil, podemos fazer a seguinte pergunta, existe uma fórmula certa para ser campeão? Vamos analisar os times candidatos ao Brasileirão e Copa do Brasil e seus comportamentos ao longo do ano, tentando traçar um paralelo e descobrir se existe uma fórmula correta no futebol, que lhe dará certeza de bons frutos.

LEIA MAIS:
Palmeiras x Vasco: Pedrinho diz que time alviverde está bagunçado e que não vence a Copa do Brasil
Relembre os artilheiros da Serie A do Brasileiro entre 1994 – 2014
Palmeiras: atual elenco custou R$ 14 mi a menos do que o quase rebaixado em 2014

Começaremos com o Corinthians, o virtual campeão brasileiro deste ano, o time iniciou o ano bem, com uma serie invicta no Paulistão, com a mesma base do ano passado, reforço de peso no banco, técnico Tite. O treinador como sempre deu um ajuste no setor defensivo da equipe, deixando sólido e seguro, bancou a escalação do zagueiro Felipe, contestado por parte da torcida.

Os primeiros resultados foram ótimos, sem susto no Paulista e no grupo da morte da Libertadores o Timão tinha tudo para ter um ótimo primeiro semestre, mas não foi o que aconteceu. No Paulistão o time foi eliminado em caso pelo arquirrival Palmeiras, o time perdeu nos pênaltis e deu adeus a competição invicto. Na Libertadores o Corinthians foi eliminado em casa pelo então desconhecido Guaraní – PAR, perdendo os dois jogos irreconhecivelmente, e perdendo também a invencibilidade de 32 jogos na Arena Corinthians.

A partir dessas duas eliminações, com a saída de alguns jogadores líderes como Fabio Santos e o atacante Paolo Guerrero e com atrasos de salários, pensou-se que o Corinthians seria carta fora do baralho no Brasileirão. Mas com o passar das rodadas o time do Parque São Jorge dominou o campeonato e é o líder em pontos, tem mais vitórias, menos derrotas, melhor ataque, defesa menos vazada e no saldo de gols. Título incontestável.

O grande mérito e a forma do trabalho do Corinthians foi manter o seu treinador, que pode ser considerado um dos grandes responsáveis pelo Hexa Brasileiro.

Já os dois finalistas da Copa do Brasil, Palmeiras e Santos, tiveram altos e baixos ao decorrer do ano. Os dois times também chegaram na final do Campeonato Paulista, mas quem levou a melhor foi o time da baixada.

O Palmeiras contratou 25 jogadores no ano, fez uma incrível reformulação em seu elenco, acumulou bons jogos e resultados no começo da temporada. Porém, com um começo ruim de Brasileirão o técnico Oswaldo Oliveira não aguentou a pressão e foi demitido. Assumiu então Marcelo Oliveira, que também faz um campeonato brasileiro com altos e baixos, mas conseguiu levar o time às finais da Copa do Brasil, cujo competição já foi vice por três vezes e procura seu primeiro título.

Já o Santos teve um início de ano preocupante, o time perdeu Arouca, Mena, Leandro Damião e Edu Dracena. Tinha como aposta Robinho, os jovens meninos da Vila e o atacante Ricardo Oliveira. Aposta que deu certo, a mescla entre juventude e experiência deu certo. O Peixe conquistou o Paulistão, mas logo em seguida perdeu o rei das pedaladas, Robinho foi para o futebol Chinês e deixou o clube sob olhares duvidosos novamente.

O início do Brasileirão do Santos não foi nada empolgante, o time chegou a flertar com a zona de rebaixamento, a diretoria então resolveu tirar Marcelo Fernandes do comando, o vencedor do Paulistão voltou a ser auxiliar e contratou Dorival Júnior. Com Dorival o Santos voltou a brilhar, com toque de bola rápido e futebol empolgante Lucas Lima e Ricardo Oliveira foram chamados para a seleção brasileira. O time que estava lá embaixo no brasileirão subiu e já está no G-4. Na Copa do Brasil o Peixe chegou na final eliminando seus rivais Corinthians e São Paulo com vitórias dentro e fora da Vila Belmiro e tem a chance de vencer na final o Palmeiras.

A consideração final é que não se dá para fazer um diagnóstico ou uma receita ideal para se tornar campeão, seja mantendo o treinador como Tite ou demitindo e contratando treinadores no meio da temporada como Palmeiras e Santos tudo é duvidoso. Da mesma forma em manter grandes estrelas como Guerrero e Robinho, muitas vezes suas ausências podem ser supridas com facilidade e o time pode jogar trabalhar melhor sem eles.

No futebol é difícil fazer uma previsão, cravar que aquela contratação vai dar certo, que aquele grupo de jogadores se darão bem, se demitir o técnico ou mante-lo será o melhor para a equipe, por isso que é um dos esportes mais apaixonante, emocionante e impressível do mundo, não há fórmula, nem certeza para nada, todo jogo é impressível.

Foto: Divulgação



Jornalista em formação. Fanático por esportes, principalmente futebol. Vivo em busca de desafios e oportunidades que a vida me proporciona.