Quatro provas de que o Corinthians foi o maior terror na carreira de Rogério Ceni

Foto: Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians

O goleiro são paulino Rogério Ceni, com ruptura do ligamento tíbio-fibular do pé direito sofrida há três semanas, não conseguiu se recuperar a tempo e foi vetado pelos médicos para o clássico deste domingo, contra o Corinthians, em Itaquera, pelo Brasileirão. Assim, o ídolo são paulino jamais voltará a atuar contra o rival já que vai pendurar as luvas, em dezembro.

O Torcedores.com listou quatro provas de que o Timão foi o maior terror na carreira de Ceni. Veja:

1 – Maior número de gols sofridos – Em 67 jogos oficiais contra o Timão, Ceni foi vazado em 95 oportunidades, a última delas no primeiro turno do Brasileirão, quando levou o gol de Luciano no empate em 1 a 1, no Morumbi. Se juntarmos jogos pelas categorias de base, o número de gols sofridos sobe para 105. Nenhum outro clube fez mais gols no goleiro do que o alvinegro do Parque São Jorge.

2 – Freguesia contra o rival – Atuando contra o Timão, Ceni tem 25 derrotas, 21 empates e 21 vitórias.

3 – Presença constante em eliminações são paulinas – Enfrentar o alvinegro em mata-mata trouxe más recordações ao arqueiro. Foram sete eliminações: final do Campeonato Paulista de 1997, semifinal do Campeonato Brasileiro de 1999, Final do Torneio Rio São Paulo de 2002, Final do Campeonato Paulista de 2003, Semifinais dos Campeonatos Paulistas de 2009 e 2013 e mais recentemente a final da Recopa Sul-Americana de 2013.

4 – Piores frangos – Dos 95 gols sofridos em pelo menos três houve frangaços: André Luiz na final do Campeonato Paulista de 1997 (empate em 1 a 1), Roberto Carlos no Campeonato Paulista de 2010 (derrota por 4 a 3) e Jorge Henrique no Campeonato Brasileiro de 2011 (goleada por 5 a 0).

Foto: Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians



Rafael Alaby é jornalista diplomado pela FIAM (Faculdades Integradas Alcântara Machado), com passagens pela Chefia de Reportagem de Esportes, da TV Bandeirantes, em São Paulo e site KiGOL. Pós-graduado em Jornalismo Esportivo e Negócios do Esporte (FMU)