SEGUNDONA: Com gol de Alexandre, São Carlos fatura título e garante vaga na A3

A Águia da Central recebeu o Fernandópolis pelo segundo jogo da final da Segunda Divisão do Campeonato Paulista, nesse domingo (08), no Estádio Luís Augusto de Oliveira, em São Carlos. Com a vitória na primeira partida por 2 a 1, fora de casa, o Sanca precisava apenas de um empate para faturar o título da competição.

LEIA MAIS:
Linense abre o placar, mas toma virada e termina o jogo com 10
União Barbarense supera salário atrasado em busca da final na Copa Paulista
Confiante, Rafael Tufa fala sobre emoção e expectativa na Copa Paulista

Com domínio desde o primeiro minuto, o São Carlos administrou a partida e venceu o duelo por 1 a 0. O resultado deu o título da Segundona ao clube que garantiu o acesso a A3 de 2016.

O Jogo

A equipe da casa começou no ataque susto no Fernandópolis. Sem perder o ritmo, o Fefecê foi para cima e quase saiu na frente. Aos 6 minutos, Radsley escapou, mas João Carlos chegou na cobertura e colocou para escanteio. Aos 10, foi a vez de São Carlos assustar. Em jogada pela linha de fundo de Ivan, Élton quase aproveitou oportunidade de abrir o placar.

O duelo era lá e cá, digno de final. Superior dentro de campo, o São Carlos abriu o placar no final do primeiro tempo. Aos 44, Alexandre pegou o rebote após cobrança de falta e abriu o placar a equipe da casa.

Na segunda etapa, o panorama mudou. Precisando reverter o placar, o Fernandópolis não se intimidou e foi em busca do empate. Aos 11, a bola ‘beijou’ o travessão após cobrança de falta de Vinícius Leite. Aos 21, foi a vez do Sanca. Carlinhos quase entregou a ‘taça’.

O jogo ia ganhando seus traços finais. Sem ter mais forças, o Fernandópolis não conseguiu chegar ao empate. Com o triunfo na primeira partida, o São Carlos faturou a Segundona e garantiu acesso a A3 de 2016.

Foto: Divulgação/Facebook



Ribeirão-pretano com orgulho e apaixonado por todas as modalidades esportivas. Jornalismo esportivo é uma das paixões que carrego em meu peito. Sonhar é o que mantém o Homem vivo. "O Homem não morre quando deixa de existir, e sim quando deixa de sonhar".